&quotWomen In Design” insistem no Pritzker retroativo para Denise Scott Brown

Campanha pela entrega retroativa do Prêmio Pritzker à arquiteta Denise Scott Brown ganha mais um revés com carta escrita pelo grupo Women in Design (da Harvard Graduate School of Design), que encabeça o movimento

Endereçada ao júri do prêmio, a carta diz: “recebemos sua resposta para a petição assinada por mais de 18 mil pessoas, e que inclui o apoio de nove laureados com o prêmio. Nos mantemos firmes em nossa convicção pelo reconhecimento igualitário”.

Em junho, o presidente do júri do Pritzker, Lord Palumbo, divulgou uma nota afirmando que “um júri posterior não pode ser reaberto ou, tampouco, alterar um julgamento prévio – isso nunca foi feito”. Para as arquitetas do Women in Design, porém, “é importante que se distingua a natureza da apelação: queremos obter um reconhecimento explícito da constribuição de Denise Scott Brown”.

A campanha solicita a inclusão de Denise no prêmio Pritzker de 1991, dado exclusivamente ao seu marido, o arquiteto Robert Venturi. Ambos são sócios no escritório Venturi Scott Brown and Associates e, de acordo com a campanha, deveriam ser laureados em conjunto pela obra. A petição, ainda em circulação no Facebook, pede a premiação retroativa da arquiteta, e já foi assinada por gente como Zaha Hadid (Pritzker em 2004), Farshid Moussavi e Hani Rashid.

Scott Brown está com 81 anos, enquanto Venturi tem 88. Ambos continuam realizando projetos e lecionando em cursos de graduação e pós-graduação de faculdades de arquitetura como a Universidade da Pensilvânia e a Universidade de Princeton, nos EUA. A arquiteta afirma, de acordo com a petição, que sua exclusão do prêmio foi muito triste. “ Eles não me devem um prêmio Pritzker, mas uma cerimônia de inclusão. Saudemos a noção de criatividade conjunta”.