Abertura do IAB/RJ no último domingo (18/7) © Divulgação

UIA2021RIO: Atividades culturais inéditas na reabertura do IAB/RJ

Os eventos são os únicos realizados de forma presencial durante o 27º Congresso Mundial de Arquitetos. Confira!

O 27º Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2021RIO) inaugurou no domingo (18) um conjunto de exposições e atividades culturais inéditas na sede do departamento do Rio de Janeiro do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB/RJ, no Flamengo, espaço que está reabrindo também em celebração ao centenário do IAB. Os eventos são os únicos presenciais do UIA2021RIO, devido às restrições impostas pela pandemia. Até esta quinta-feira (22), o público pode visitar o local das 9h às 21h. A entrada é gratuita e há controle de acesso, seguindo protocolos de distanciamento social.

A cerimônia de abertura no IAB/RJ foi marcada pela comemoração dos 30 anos do Conselho Internacional dos Arquitetos de Língua Portuguesa (CIALP) e contou com a presença do Presidente do Comitê Executivo do UIA2021RIO, Sérgio Magalhães; da Presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Nadia Somekh; da Co-Presidente do IAB/RJ, Lígia Tammela; e do embaixador de Portugal no Brasil, Luís Faro Ramos. Pela transmissão ao vivo, estavam presentes o Presidente do CIALP, Rui Leão; o Co-Presidente do IAB/RJ e Comissário Geral do UIA2021RIO, Igor de Vetyemy; a Presidente do IAB, Maria Elisa Baptista; e o arquiteto português Jorge Figueira. O UIA2021RIO conta com o apoio CAU/BR e da Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA).

 

 

Abertura do IAB/RJ no último domingo (18/7) © Divulgação

 

O evento de destaque na sede da entidade é a exibição “Arquiteturas em Português – Diálogos Emergentes”, filme-exposição apresentado pelo CIALP, associado ao tema do UIA2021RIO, “Todos os Mundos. Um só Mundo. Arquitetura 21”, com curadoria de Ana Vaz Milheiro, Inês Lima Rodrigues e Jorge Figueira, e coordenação de Rui Leão. O filme-exposição conta com 11 trabalhos de ateliers de oito territórios: Brasil, Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

“O trabalho mostra uma questão que nem sempre é debatida: a relação estreita entre a arquitetura vernacular e a arquitetura dita erudita. Penso que Portugal nos dá um exemplo magnífico dessa compreensão de que arquitetura e urbanismo é uma cultura de toda a sociedade. Fica evidente na manifestação arquitetônica portuguesa, seja nas expressões populares, seja nas dos mais altos arquitetos reconhecidos mundialmente”, ressaltou Sérgio Magalhães antes da primeira exibição do filme.

 

Aprendemos muito na preparação deste congresso, principalmente, como ultrapassar as fronteiras do espaço e do tempo, e construir um evento verdadeiramente plural”, destacou Rui Leão, Presidente do CIALP.

 

O arquiteto Jorge Figueira pontuou a importância do filme-exposição por promover reflexões acerca da funcionalidade e estrutura das habitações perante os desafios impostos pela pandemia. “Vivemos tempos difíceis, mas acho que arquitetos e têm em sua genética a responsabilidade de avançar, projetar e transformar. O filme mostra isso com serenidade e modéstia. Todos sabemos que os arquitetos trabalham desde sempre na habitação, na casa como lugar matriz. O filme mostra essa preocupação ancestral para a realidade em tempo real, e permite ver as semelhanças, diferenças, nuances desses arquitetos que trabalham na geografia extraordinária do CIALP”.

Junto à exibição “Arquiteturas em Português – Diálogos Emergentes”, os monitores expõem “Corpos no Mundo”, que conta com pílulas audiovisuais de artistas das periferias e favelas do Rio de Janeiro, com o objetivo de apresentar suas pesquisas artísticas, reflexões, deslocamentos, tensionamentos, e de mostrar a cidade do Rio através dos seus moradores. A curadoria é da arquiteta Lígia Tammela e da produtora cultural da Maré Pamela Carvalho.

O objetivo de colocar as intervenções visuais lado a lado, em várias telas, é reconhecer que países falantes da língua portuguesa compartilham uma história de colonização e enfrentam os mesmos desafios sociais, econômicos e políticos, para proporcionar ao público a oportunidade de encontrar novas soluções que sirvam internacionalmente. Isso proporciona uma nova experiência de reflexão a partir do mosaico cultural do Rio e da arquitetura lusófona.

 

O mote do Congresso Mundial de Arquitetos, ‘Todos os Mundos. Um só Mundo’, é muito apropriado. O mundo numa língua, uma língua pró-mundo. É muito bom celebrar a diversidade na mesma língua, de arquitetos mais jovens com projetos muito interessantes”, disse o embaixador de Portugual, Luís Faro Ramos.

 

Além de ambas as exposições, também acontece na sede do IAB/RJ:

  • Conteúdo audiovisual do UIA2021RIO e exibição de arquiteturas de todos os mundos dentro do auditório;
  • Exposição de trabalhos selecionados do 7º Fórum Internacional sobre o Patrimônio Arquitetônico FIPA;
  • Seleção de projetos contemporâneos chineses;
  • Seleção de projetos brasileiros e internacionais que dialogam com os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU;
  • Mapa mundi no centro do salão com diferentes fusos-horários, representando a proposta do UIA2021RIO de unir pessoas que estão ao redor do globo, através do congresso virtual;
  • Tecidos acrobáticos pendurados no teto, que incentivam experiências sensoriais entre os visitantes, representando o encontro de instituições de arquitetura nos quais se vão lançando fios e tecendo redes;
  • Estande do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), com telão de Led gigante.

 

Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio de Janeiro (IAB/RJ)
Endereço
Beco do Pinheiro, 10 – Flamengo, Rio de Janeiro
Horário de visitação 9h às 21h
Acesso entrada gratuita com controle de acesso, seguindo protocolos de distanciamento social
Mais informações iabrj.org.br | (21) 2225-6405