Imagem: Reprodução neom.com

“The Line” será a nova cidade projetada do zero na Arábia Saudita

As diretrizes de criação apontam para um planejamento urbano que prioriza o pedestre - livre de carros, emissões de gás carbônico e mínimo espaço destinado a vias

No último domingo (10/01), o pronunciamento de Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita, tornou público o projeto urbano da “The Line” (A Linha), uma nova cidade do país que será planejada do zero, de acordo com especificações de construção sustentável e ecofriendly.

 

Princípios para a “The Line”, nova cidade da Arábia Saudita | Imagem: Reprodução neom.com

 

A cidade, prevista para iniciar obras no primeiro trimestre de 2021, segundo financiamento pelo Fundo Saudita de Investimento Público (PIF), seguirá por uma infraestrutura linear, com 170 quilômetros de extensão, prometendo distância entre pontos chave de, no máximo, cinco minutos a pé ou de bicicleta, e tempo de deslocamento de 20 minutos entre as extremidades da linha. Dessa maneira, o projeto pretende racionalizar a área destinada a ruas, evidenciar os percursos a pé e desestimular, por sua vez, o uso de transportes motorizados.

A proposta considera estruturas subterrâneas (como água, luz, gás) e infraestrutura de mobilidade integrada, considerando-se, dentre outros modos, metrô e hyperloop – todos esses atributos planejados, operacionalizados e controlados por inteligência artificial (IA).

 

 

Entretanto, a proposta é apenas uma parte da megacidade inteligente intitulada Neom, na província de Tabuk, no noroeste do país, considerada uma formação futurista e turística, que integra a lista de outros megaprojetos em curso que pretendem diversificar a economia da Arábia Saudita. “Como presidente da direção da Neom, apresento ‘The Line’, uma cidade que pode acomodar 1 milhão de habitantes em 170 quilômetros de comprimento, e que preservará 95% das áreas naturais”, anunciou bin Salman em comunicado transmitido na televisão.

 

Perímetro estipulado para a megacidade Neom | Imagem: Reprodução Veja São Paulo

 

O custo de construção deste imenso complexo está estimado em meio trilhão de dólares e as obras estão em andamento desde o início de janeiro de 2019. Tal iniciativa compartilha da linha de outros projetos situados no Oriente Médio, como Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e Lusail, a “cidade inteligente” do Catar, construída para a Copa do Mundo FIFA prevista para 2022.

Sabe-se que as estratégias de planejamento da The Line não são novidade no globo. Parte dos princípios embasa, por exemplo, as cidades de Barcelona, autora do projeto Superillas, uma tentativa bem-sucedida de devolver espaços públicos a pedestres; ou Paris, que apresentou, em 2020, o intitulado “Cidade de 15 minutos”, uma proposta de reeleição da prefeita Anne Hidalgo que, de similar forma, pretende estabelecer deslocamento máximo dos parisienses aos então 15 minutos, considerando como ponto de partida suas próprias residências.

Assista ao vídeo de pronunciamento