Filme Fluon® ETFE no estádio Fisht, Rússia (Foto: cortesia AGC Química)

PROJETO + AGC: saiba como foi o encontro temático sobre design e tecnologia de fachadas

Realizada na última terça-feira (21/07), a live trouxe especialistas para falar acerca de inovações em produtos de fachadas, correta especificação e decorrentes efeitos estéticos a partir de exemplos de sucesso já edificados

A Revista PROJETO, apoiada pelo grupo internacional AGC, promoveu na última terça-feira (21/07) o evento temático ‘Cores e Diversidade: do design à correta especificação para arquitetura de fachadas’ no @revistaprojeto do Instagram. Como convidado especial, o encontro também contou com a presença da AkzoNobel, gigante no setor de tintas e revestimentos.

Entre os assuntos chave do encontro, destacaram-se as tecnologias de pintura eletrostática através de tintas em pó, que garantem durabilidade da cor durante décadas e são consideradas mais sustentáveis que outras técnicas, a orientação aos profissionais de arquitetura para correta especificação do produto e, claro, os benefícios técnicos e efeitos estéticos decorrentes. Além disso, também presente no encontro, a tecnologia dos revestimentos em Fluon® ETFE foi explicitada a partir da demonstração de cases de aplicação.

AGC Vidros

Para abertura da live, a Gerente de Desenvolvimento de Mercado da AGC Vidros, Ana De Lion, explicitou a gama de atuação do grupo ali representado. A multinacional japonesa, líder mundial na fabricação de vidros, abrange diversos segmentos – dentre eles o da construção civil – produzindo não somente a grande variedade de vidros altamente tecnológicos, mas também espelhos, reconhecidas membranas Fluon® ETFE e as resinas Lumiflon™. Ana destaca:

Os diferenciais para especificação dos nossos produtos consistem em nosso DNA de inovação e busca por sustentabilidade. Junto ao rico portfólio, que compreende vidros decorativos e também de alta performance, contamos com excelentes parceiros – consultores técnicos, processadores e instaladores – para atender aos mais renomados escritórios de arquitetura, desde o pré ao pós-venda, além da qualidade, que responde aos critérios mais rígidos das normas regionais europeias”.

Os vidros podem ser customizados segundo as exigências projetuais – desdobrando-se não somente em cores, formas e tamanhos, mas em performances técnicas, como de controle do calor, transmissão de luz, entre outros -, destacam-se pela garantia de anos de desempenho e estética. Diante do eixo temático, sete obras implantadas pelo mundo exemplificaram o sucesso do que a marca entrega aos clientes.

 

 

Para o profissional que deseja especificar os vidros AGC, site e @agcvidrosbrasil do Instagram contém contatos da equipe local de apoio, além de outros cases de sucesso da marca: “Fazemos questão de dar um atendimento capaz de fornecer dados relevantes para todos os envolvidos – arquiteto e consultor, incluindo construtora, caixilheiros e instaladores – ao auxiliar na viabilidade de execução fiel ao que consta especificado. Participamos também, quando necessário, das discussões com cliente, proprietário e usuário, para que assim todos os envolvidos no processo possam ter o mesmo entendimento do porquê especificar um produto AGC naquela obra”, pontua Ana De Lion.

AGC Química

Na sequência do encontro online, a AGC Química, braço centenário do grupo AGC, também se mostra forte na presença do mercado mundial, atualmente em mais de 30 países. Mesmo que apenas desde 2013 no Brasil, sua representatividade nacional cresce com a chegada de cada vez mais produtos atestados no exterior, sobretudo pela excelência no desempenho das propriedades tecnológicas.

Apesar do foco temático concentrar-se na construção civil, a divisão também se revela abrangente nos setores cosmético, automotivo, têxtil e outros. Dessa vez, mais especificamente direcionado à arquitetura, o grupo ampliou seu portfólio há pouco tempo, inovando através da fabricação de polímeros de alto desempenho, com destaque para o filme Fluon® ETFE e o revestimento Lumiflon™ [‘Conteúdo AGC: Inovação e durabilidade a serviço da arquitetura’ / publicado em jul. 2019].

Representando marca e produtos, Sérgio Yai, Gerente de Vendas e Marketing para América Latina da AGC Química, detalhou o filme de ETFE – único a produzir tanto a matéria-prima quanto o próprio filme – ao apresentar as propriedades de seu desenvolvimento com polímeros de altíssima tecnologia, o que chama a atenção para as inúmeras qualidades técnicas e infinitas possibilidades de uso.

Segundo Yai, o produto apresenta “alta resistência mecânica, química e estabilidade térmica”, fatores provenientes do encadeamento de polímeros específicos. Além disso, a formulação assegura transparência resistente à passagem do tempo, mantendo os níveis de transmissão luminosa sem sofrer degradação pela ação dos raios UV durante muitos anos. Com inúmeras possibilidades estéticas, o material ainda conquista leveza notável – variando de 175 a 525 gramas por metro quadrado (de acordo com a espessura da película), “sendo compatível com estruturas mais delgadas e proporcionando mais economia ao projeto”, complementa.

Atualmente, o material desponta mundo afora em obras de coberturas e fachadas – estádios esportivos, prédios comerciais, centros poliesportivos, zoológicos, mercados, estações de trem, entre outros – dando vazão à arquitetura de grandes nomes mundiais com sua máxima inventividade.

 

Como outra aposta, a resina-base Lumiflon™ pode ser acrescentada na formulação de diferentes tintas e revestimentos, emprestando ao acabamento vantagens expressivas, como a enorme resistência a corrosão e intempéries, à degradação pelos raios UV e ao desbotamento – além do brilho garantido por mais de 10 anos e da excelente aderência em diferentes substratos. Ainda:

O produto se adapta esteticamente, sendo compatível a diversas cores sólidas, e ajudando a proporcionar à tinta baixíssima manutenção por também resistir à aderência de sujeira”, confirma Yai.

 

As qualidades do Lumiflon™ o torna amplamente utilizado por diversas indústrias, incluindo a AkzoNobel, hoje um dos maiores clientes e parceiros globais da AGC Química no mundo. A união das gigantes propõe melhorar ainda mais as tecnologias de pintura empregadas na construção, buscando superar as condições de qualidade e flexibilidade ao oferecer o melhor para profissionais do setor e clientes finais.

AkzoNobel

Dentre as linhas que carregam consigo a marca AkzoNobel estão as tintas decorativas e protetivas – a exemplo, Coral e Internacional, respectivamente – e a evidente Interpon, uma série em pó, à parte, que se apresenta como alternativa no mundo construtivo para oferecer proteção a superfícies metálicas – sobretudo alumínicas extrudadas -, sem a necessidade de liberar solventes na atmosfera, diferentemente da tinta líquida ou da anodização:

Isso é possível porque a tinta é 100% sólida e utilizamos um processo eletrostático de pintura – que literalmente ‘atrai’ o pó para a peça. Em seguida, ela segue para uma estufa que finaliza o processo em cerca de dez minutos”, detalha a Gerente de Contas da AkzoNobel Brasil, Joelen Lima.

Todo o procedimento, seguro pela propriedade ignífuga do componente, é obrigatoriamente realizado em ambiente industrial, situação responsável por outras vantagens – a aplicação de uma única camada já garante a finalização da peça (e melhor, o restante pode ser reutilizado). Ainda, a especificação de produtos que receberam o tal processo com a Interpon, credita positivamente os projetos que aspiram selos de sustentabilidade construtivos – como a reconhecida Certificação LEED: “Fornecemos uma Declaração Ambiental do produto e então ele passa a ser considerado uma matéria prima tipo III para créditos no LEED, por exemplo.

Tamanha excelência em benefícios técnicos e estéticos atestam, portanto, a incorporação do produto à obra. Entretanto, vale ressaltar que a materialização do processo depende também da especificação indicada pelo arquiteto no memorial executivo, respaldado por normas que elevam a durabilidade da pintura no projeto para até 25 anos (Interpon D3000 AkzoNobel encorpadas pela resina Lumiflon™, da AGC), ao invés de cinco anos apresentados pelas tintas simples:

Quando são citadas, por exemplo, as Normas AAMA 2604 ou Qualicoat Classe 2, de fato o profissional está elevando o padrão de qualidade a ser seguido na pintura”, detalha Lima.

A empresa ainda apresenta diversas opções de cores e lançamentos frequentes. Na linha Interpon D2000, a Futura totaliza 50 cores autorais desenvolvidas em parceria com agência internacional de tendências PECLERS, pensada para atender às exigências para até os quatro anos, prazo para lançamento de outra paleta atualizada. Hoje, todos os tons estão disponíveis em BIM. Além dessa, a Anodic III oferece opções metalizadas em nuances bronzes, pratas, dourados. Complementar, a linha Interpon D3000, geralmente em cores RAL. Todas as informações permanecem no aplicativo exclusivo ‘AkzoNobel Design’.

Digno de nota, a AkzoNobel, perante o meio arquitetônico, faz-se maiormente difundida nos últimos tempos pela concessão anual do Prêmio de Arquitetura Tomie Ohtake AkzoNobel: “É uma forma de fomentar a arquitetura do nosso país e reconhecer a grandeza desses projetos [profissionais e estudantis]. Hoje, é visto como uma premiação consolidada, democrática e reconhecida”, finaliza Lima.

À esquerda, o Birmann 32 (SP); acima à direita, o Hospital Monash (Austrália), abaixo, o The Lantern House (NY) (Fotos: cortesia AkzoNobel)