Prêmio CAU/DF Docentes: conheça os trabalhos vencedores!

A primeira edição do concurso selecionou propostas que exprimem, com louvor, inovadoras práticas de ensino por docentes de arquitetura e urbanismo de Instituições de Ensino Superior (IES) do DF, em 2020-2021

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU/DF), por meio de sua Comissão Permanente de Ensino e Formação (CEF), divulgou os trabalhos vencedores do Prêmio CAU/DF Docentes – Práticas Inovadoras de Ensino 2020-2021, cujo objetivo consiste em premiar as melhores e mais inovadoras práticas de ensino proposta por docentes de arquitetura e urbanismo de Instituições de Ensino Superior (IES) do Distrito Federal, durante os anos de 2020-2021.

Nesta primeira edição, três trabalhos foram premiados por ordem de classificação e houve uma Menção Honrosa. Todos contribuem “com o aperfeiçoamento do ensino e fomentam a inovação nos métodos aplicados nas escolas de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal”, estimulando “um debate qualificado a respeito dos trabalhos e das práticas acadêmicas e valorizando a relação entre a teoria, o ensino e a prática profissional”, conforme buscava o edital.

A solenidade de premiação ocorrerá no próximo dia 31 de janeiro, de maneira virtual, com a presença dos integrantes da CEF e dos docentes premiados e convidados que, conforme determinado pela Comissão Julgadora, receberão como prêmio, além do certificado, a participação na Mostra Virtual e um conjunto de livros e publicações oferecidos pelo CAU/DF. Conheça os vencedores!

1º Lugar

Título Assessoria Sociotécnica – Metodologia ativa e processo como práticas pedagógicas para projetos extensionistas dos Trabalhos Finais de Graduação
Docente Liza Maria Souza de Andrade
Instituição Universidade de Brasília (UnB)
Resumo Este documento apresenta uma proposta metodológica para o desenvolvimento de trabalhos finais de graduação desenvolvida como prática pedagógica não somente no contexto do ensino como também da pesquisa e extensão. Com base nas dimensões da sustentabilidade urbana, resgatam-se as contribuições do urbanismo de tradições orgânicas e participativas baseado na auto-organização de baixo para cima (botton up) que formam a base da adequação sociotécnica do grupo onde os sujeitos do conhecimento científico compartilham seus códigos técnicos com os sujeitos sociais organizados e assimilam o conhecimento sociotécnico existente na comunidade, formando o “interacionismo pedagógico freiriano e sociotécnico. Apresentam-se as etapas dos processos participativos e códigos geradores, bem como alguns exemplos de aplicação nos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes de graduação, no desenvolvimento de caminhos de construção da aprendizagem que tem possibilitado a reflexão sobre a função social da profissão de arquiteto e urbanista e rompido os muros da universidade a partir da ação coletiva.

Resumo

Trabalho na íntegra

 

2º Lugar

Título Escolher, praticar e brincar: procedimentos avaliativos não tradicionais aplicados na teoria e história da arquitetura
Docente 
Ana Paula Campos Gurgel
Instituição
 Universidade de Brasília (UnB)
Resumo Apresenta-se aqui procedimentos avaliativos não tradicionais aplicados às disciplinas de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo, postos em prática e sistematicamente revisados desde 2014. Diversos estudos comprovam que metodologias e sistemas avaliativos tradicionais tem pouca adesão e efetividade ante a Geração Z (nascidos entre 1990 e 2010). Soma-se a esse quadro as habilidades individuais em estudo e aprendizagem que se diferem em qualquer turma e que, por vezes, são ignoradas nos métodos comuns de avaliação. Nesse panorama, construiu-se o método da “livre escolha de atividades” no qual cada aluno teve autonomia para compor sua avaliação semestral escolhendo livremente entre um conjunto de cerca de 10 exercícios diferentes e, dentre esses, a metodologia de análise arquitetônica e a realização de uma prova-jogo. A análise arquitetônica é uma atividade que possibilita a articulação entre teoria e prática por meio de articulação interdisciplinar. A Prova-jogo adiciona uma variável lúdica ao processo avaliativo, estimulando a colaboração entre os discentes e serviu também como um alívio para as pressões do fim do semestre. Os resultados demonstram que, em geral, os alunos aprovaram as dinâmicas, mas há a necessidade de sempre incentivá-los para que testem novas habilidades. As metodologias propostas podem ser replicadas ou adaptadas independente do recorte espaço-temporal ou estilístico da disciplina e contribuem para formar um repertório para o conhecimento, análise e interpretação das realizações arquitetônicas e urbanísticas, familiarizando os discentes com o debate dos temas da teoria e história da arte, arquitetura, do urbanismo por meio de reflexão crítica.

Resumo

Trabalho na íntegra

 

3º Lugar

Título Prática Inovadora em ensino de história da arquitetura brasileira
Docente Andrey Rosenthal Schlee
Instituição Universidade de Brasília (UnB)
Resumo Segundo as diretrizes curriculares nacionais para o ensino de Arquitetura e Urbanismo, as propostas pedagógicas devem garantir a formação de um profissional generalista, com competências e habilidades para, entre outras coisas, conhecer a de teoria e a história da arquitetura, do urbanismo e do paisagismo, considerando sua produção no contexto social, cultural, político e econômico e tendo como objetivo a reflexão crítica e a pesquisa. Sendo assim, durante os anos de 2020-2021, foi desenvolvido como instrumento de avaliação de disciplina de História da Arquitetura Brasileira, o Trabalho que apresentamos ao Prêmio CAU/DF. Trabalho considerado como uma prática inovadora em ensino de história, uma vez que superou o conjunto de dificuldades impostas pelo isolamento social em que vivemos nos últimos anos, garantindo uma produção de conhecimento e reflexão crítica com qualidade, a partir de pesquisa orientada na Hemeroteca Digital do Brasil (Biblioteca Nacional). No caso, a inovação reside na possibilidade de manter a qualidade do curso, mesmo remoto, com estudantes residindo em várias unidades da federação, pesquisando temas de livre escolha a um custo muito baixo. Ao todo, foram orientados cerca de 180 trabalhos que, em função da metodologia adotada, privilegiaram temas significativos como o espaço da mulher na arquitetura brasileira, a origem das favelas, o espaço da mulher, a arquitetura dos terreiros de candomblé e de umbanda, arquitetura e literatura, entre outros.

Resumo

Trabalho na íntegra

 

Menção Honrosa

Título Esboços urbanos, imaginar cidades em tempos de pandemia
Docente 
Eliel Américo Santana da Silva
Instituição
 Universidade de Brasília (UnB)
Resumo Essa experiência trata da percepção da cidade a partir do urban sketch ou croqui urbano, nos anos de 2020 e 2021, em plena pandemia da covid-19 quando perdemos o contato com as ruas. Mesmo com essa situação em decorrência do isolamento social, pesquisas em redes sociais, ferramentas como Google Street ViewGoogle MapsCity Walks e outras, foram fundamentais à manutenção dos objetivos principais: o resgate do ensino de desenho nas escolas de arquitetura e urbanismo, o conhecimento da comunidade e, principalmente, o ato de inventar novas cidades na escala do olhar do caminhante, em vistas aéreas ou voo de pássaro.

Resumo

Trabalho na íntegra