(Imagem: Cortesia Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana)

Parque Estadual de São Paulo recebe maior Roda-Gigante da América Latina

A instalação do equipamento no Parque Cândido Portinari tem projeto urbano assinado pela Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana. Com previsão de conclusão no primeiro semestre deste ano, a atração faz parte das ações para revitalização do entorno do rio Pinheiros

A empresa São Paulo Big Wheel (SPBW), classificada por meio de chamamento público, iniciou a montagem da maior roda-gigante já instalada no Brasil. A “Roda São Paulo” ficará abrigada em uma área de 4,5 mil metros quadrados, no Parque Candido Portinari, ao lado do Parque Villa-Lobos, zona oeste da capital. Com inauguração prevista até junho de 2022, o projeto integra as ações do Governo do Estado para revitalizar a região do Rio Pinheiros.

Essa iniciativa é uma parceria do Governo com a iniciativa privada para ampliar as opções de lazer da população e fomentar o turismo na capital. Vale lembrar que, de acordo com o contrato firmado, também haverá ações e tarifas sociais para que comunidades do entorno também usem o espaço”, destacou o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

A Roda Gigante será oficialmente a maior da América Latina, superando as instaladas em cidades como Paris, Toronto e Chicago. De acordo com a empresa responsável, a roda tem um design leve e é sustentada por cabos (ou estais). Serão 42 cabines de observação com capacidade para até dez pessoas, ar-condicionado, monitoramento por câmeras, interfones e Wi-Fi. A estrutura também terá iluminação cênica, projetada para interagir com a cidade.

 

 

(Imagens: Cortesia Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana)

 

No total, a estrutura terá acima de mil toneladas e vai requerer o uso do maior guindaste rodoviário disponível no Brasil. A montagem, que conta com outros 200 trabalhadores, está sendo realizada com todos os cuidados de segurança e de forma a não interferir na visitação do parque. Quando concluída, a Roda São Paulo deve gerar 160 empregos diretos e indiretos.

 

 

O local possui fácil acesso com linha de trem conectada ao metrô, ônibus, além de ciclovias permanentes e ciclofaixas de lazer montadas aos domingos e feriados. A expectativa é receber entre 600 mil e 1 milhão de visitantes por ano, cerca de 10% do atual público frequentador dos parques.

Para explorar o serviço na área a empresa pagará à Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) R$ 141 mil mensais ou 10% do valor do faturamento bruto (prevalecendo o maior). Os valores serão transferidos à administração do parque e o empreendimento também prevê apoio da SPBW na manutenção e robusto programa de inclusão social e educação ambiental a alunos de escolas públicas, além de beneficiários de programas e projetos sociais das comunidades do Jaguaré.

“Mais que um ícone da cidade, a Roda São Paulo será um novo motor de desenvolvimento, um agente de transformação, ao contribuir, no contexto do projeto do Governo do Estado de revitalização da região do Rio Pinheiros, com a valorização dos imóveis, o surgimento de empreendimentos, com programa de educação ambiental para escolas públicas, e uma nova relação dos moradores e visitantes com São Paulo. Será um marco no desenvolvimento urbano e turístico de São Paulo, que vai mostrar a cidade de um ponto de vista privilegiado, unindo a paisagem urbana e as belezas naturais do Rio Pinheiros e dos parques”, afirma Marcelo Mugnaini, CEO da SPBW. O executivo acrescenta que o empreendimento contará com um programa de educação socioambiental em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) para 2030.

 

(Imagem: Divulgação)

 

Sabe-se que o programa Novo Rio Pinheiros, citado por Mugnaini, tem o objetivo de revitalizar este importante símbolo da cidade de São Paulo por meio da ação de diversos órgãos públicos em parceria com a sociedade. A meta, até o fim de 2022, é reduzir o esgoto lançado em seus afluentes, melhorar a qualidade das águas e integrá-lo completamente à cidade. Por ser um rio urbano, a água não será potável, no entanto, com o projeto de despoluição concluído, haverá a melhora do odor existente, abrigo de vida aquática e, principalmente, a volta da população às suas margens com a recuperação ambiental e paisagística do seu entorno.

 

Projeto urbano pelo Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana

Ainda segundo o projeto, o empreendimento terá uma área de convivência integrada ao Cândido Portinari, assinada pelo escritório Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana. O projeto prioriza o uso de pavimentos que favorecem a drenagem do solo, com soluções de reserva e utilização de água, o uso de materiais e soluções construtivas por sistemas de montagem, garantindo uma obra seca e limpa.

 

O novo equipamento turístico tem o potencial de criar identidade, gerar um marco visual e paisagístico e, para além disso, criar uma possibilidade de visualização e de compreensão da cidade de um ponto de vista não usual: a cidade vista de cima. Adicionalmente, além desta nova perspectiva de reconhecimento da cidade, a proximidade com o Rio Pinheiros é muito relevante”, declara Adriana Levisky, fundadora da Levisky Arquitetos I Estratégia Urbana.

 

 

(Imagem: Cortesia Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana)

 

O projeto também prevê ainda o enriquecimento arbóreo de uma área totalmente descampada através do plantio de espécies nativas garantindo harmonia paisagística e integração com o parque, e favorecendo a biodiversidade nas margens do rio Pinheiros, também rememorado na ação. As soluções adotadas garantem ainda acessibilidade e desenho universal para que o equipamento se torne um verdadeiro espaço de inclusão, permitindo encontros, contemplação e aprendizado. Sua localização irá acolher quem mora em São Paulo, ou a visita.

 

Valorizar o rio no contexto da cidade é de extrema importância, enaltecendo seu valor ambiental, territorial, histórico e afetivo. Ao longo da história da cidade, com o seu crescimento, fomos perdendo a memória do rio, demos as costas a um elemento que merece nossa deferência. Assim, a roda-gigante é uma contribuição também para o resgate de sua importância, com a possibilidade de nos apropriarmos da cidade de uma perspectiva inédita: a 90 metros de altura”, finaliza Adriana.