Oficina de Fotografia enfoca Favela como Patrimônio da Cidade

Projeto Corpo Morada utiliza tal linguagem para fomentar o debate sobre o meio urbano e o espaço favelado enquanto potência e patrimônio na cidade do Rio de Janeiro. As inscrições vão até o próximo domingo, 25 de abril. Corra!

Mediante ao entendimento de que favela e espaços periféricos apresentam inúmeras potencialidades, permeando-se por memória, saberes e inventividade, a oficina de imagens “Corpo Morada: Favela como patrimônio da cidade” está com inscrições abertas até o próximo 25 de abril e tem como tem como principal objetivo oferecer subsídios para pensar e propor a tal espaço de cidade como patrimônio coletivo, utilizando a fotografia como fator de mobilização e sensibilização.

A oficina de imagens surgiu da necessidade de multiplicarmos olhares e representações sobre o Rio de Janeiro, seus territórios e seus habitantes, especialmente no ano em que a cidade se tornou capital mundial da arquitetura. O Rio vivido nos territórios populares e construído, sobretudo pelos moradores e moradoras destes espaços, deve ser referência para uma cidade menos desigual e mais democrática”, destaca Aruan Braga, coordenador do Eixo de Políticas Públicas do Observatório de Favelas.

O Projeto Corpo Morada, iniciativa do Observatório de Favelas, através do eixo de Políticas Urbanas e do Programa Imagens do Povo, com patrocínio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ), estabelece-se como primeira iniciativa geral da ação. Iniciando em 4 de maio, as aulas remotas acontecerão durante os meses de maio e junho, sempre às terças-feiras, das18h30 às 20h30.

“A favela é viva, um espaço pulsante de vivências resistentes. O diálogo cultural que existe na integração com o espaço urbano formal precisa ser valorizado. O CAU/RJ se sente honrado em patrocinar o projeto Corpo Morada dando visibilidade a esta iniciativa que mostra a potência da cultura da favela para toda a cidade”, afirma a vice-presidente do CAU/RJ, Luciana Mayrink.

Para Thais Ayomide, fotografa educadora do Imagens do Povo, “a oficina busca refletir como o território influencia na nossa dinâmica corporal e como constrói corpos políticos, que transitam pela cidade levando seus lares, territórios, suas histórias, raízes e evidenciando como a favela é movimento”.

Critérios de inscrição

A oficina é destinada a fotógrafes já atuantes e residentes em favelas e periferias da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, preferencialmente, mulheres negras, cis e trans que se interessem em desenvolver reflexões acerca da imagem, da valorização das narrativas, das práticas culturais e expressões sociais populares.

Disponibilizando 15 vagas, a programação do projeto fará a seleção entre 26 e 29 de abril, com anúncio do resultado já no dia 30 deste mês. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do link. Participe!

 

Oficina de fotografia “Corpo Morada: Favela como patrimônio da cidade”
Inscrições
16 a 25 de abril de 2021; gratuitas através do link
Realização Observatório de Favelas
Parceria e apoio Conselho de Arquitetura e Urbanismo