Casa Millan (1970), em São Paulo, de Paulo Mendes da Rocha © Douglas Friedman/Via Wallpaper

Mostras em casas de Mendes da Rocha e Jorge Zalszupin seguem abertas até outubro

Com curadoria de Guilherme Wisnik, ambas as exposições tematizam arte e arquitetura nas icônicas residências paulistanas Millan e Zalszupin, assinadas respectivamente por Paulo Mendes da Rocha e Jorge Zalszupin

Até o próximo mês de outubro, icônicas residências em São Paulo expõem duas mostras temporárias organizadas por galerias de design e arte, e ambas com curadoria de Guilherme Wisnik. A primeira trata-se de ‘ritmo. rigor. razão’, na Casa Zalszupin (1962), do arquiteto polonês radicado no Brasil, Jorge Zalszupin, onde residiu até seu falecimento, em 2019. A segunda, ‘Janelas para dentro’, ocupa a Casa Millan (1970), e leva a assinatura do multipremiado brasileiro Paulo Mendes da Rocha.

Na Zalszupin, desde 2019 convertida em centro cultural, a mostra é fruto da parceria entre Almeida & Dale Galeria de Arte e ETEL Design, e estabelece paralelo entre peças de design do estúdio Branco & Preto – loja da década de 1950, formada por formada por grandes arquitetos, entre eles, Roberto Aflalo, Jacob Ruchti, Miguel Forte, Plínio Croce, Carlos Millan e Chen Y Hwa -, e importantes obras construtivas permeadas entre arquitetura, arte e design, igualmente marcantes a meados do século XX. Nomes de peso da arte nacional assinam as obras, como Lygia Pape, Mira Schendel, Hélio Oiticica, Luiz Sacilotto, Sérgio Camargo, Waltércio Caldas, Túlio Pinto, Anna Maria Maiolino, e outros.

 

 

Já a Casa Millan recebe a mostra organizada pelas Central Galeria e Galeria Leme, que reúne obras de mais de vinte artistas contemporâneos. Partindo dos paradoxos presentes no próprio local – o projeto de Paulo Mendes da Rocha visava incorporar a paisagem urbana no espaço doméstico -, os trabalhos guardam forte relação com a arquitetura, atravessando polaridades como o monumental e o cotidiano, o público e o privado.

 

Não se trata, simplesmente, da ocupação de um espaço doméstico como se fosse um museu ou uma galeria. Mas, sim, de um conjunto de intervenções artísticas – algumas já existentes, outras do tipo site specific – em um dos espaços mais radicais já produzidos pela arquitetura brasileira e mundial”, detalha Wisnik.

 

Caracterizando as casas de Mendes da Rocha daquele período, o professor Flávio Motta descreve o espaço criado como “projeto social”, cujo despojamento supõe um “relacionamento do viver meio favela racionalizada”, onde “cada um aceita o convívio com os demais, sem muradas sólidas, mas dentro de novas e procuradas condições de respeito humano”¹.

 

 

Dessa maneira, a mostra busca dialogar criativamente com os ambientes da casa, em si, uma obra de arte. Diálogos que funcionam tanto por afinidade como por subversão, estabelecidos por artistas que operam com a temática da cidade e incorporam em seus trabalhos os problemas e os elementos da esfera urbana, criando curtos-circuitos e atravessamentos entre polaridades como o urbano e o doméstico, o cotidiano e o monumental, o formal e o informal, a elite e a periferia.

Os multiartistas que integram a mostra consistem em Ana Elisa Egreja, Bruno Cançado, C. L. Salvaro, Candida Höfer, Carmela Gross, Clarissa Tossin, Cristiano Mascaro, Damián Ortega, David Batchelor, Débora Bolsoni, Dora Smék, Fernanda Fragateiro, Frank Thiel, Frederico Filippi, Gretta Sarfaty, José Carlos Martinat, Lais Myrrha, Luciano Figueiredo, Mano Penalva, Marcelo Cidade, Marcius Galan, Mauro Piva, Michael Wesely, Raphael Escobar, Ridyas, Rodrigo Sassi, Sandra Gamarra, Sergio Augusto Porto, Vivian Caccuri.

1. MOTTA, Flávio. Paulo Mendes da Rocha. Acrópole. n. 343. São Paulo, setembro de 1967.

 

‘ritmo. rigor. razão’
Local
Casa Zalszupin
Endereço Rua Doutor Antônio Carlos de Assumpção, 134 – Jardim América (SP)
Período expositivo até 9 de outubro de 2021
Visitação segunda a sexta-feira, 10h às 16h | sábado, 10h às 14h | Mediante agendamento e confirmação por e-mail
Mais informações através do site

 

Janelas para dentro
Local
Casa Millan
Endereço Rua Circular do Bosque, 628 (SP)
Período expositivo até 10 de outubro de 2021
Visitação Sábado e domingo, 11h às 17h | Mediante agendamento
Mais informações através do site