Parque Fazendinha após mutirões de dezembro de 2017 (Foto: reprodução Rede Papel Solidário)

Jardim Colombo: em tempos de pandemia, uma gestão horizontal

Entenda como a comunidade tem se organizado nos últimos meses para enfrentar as decorrências do momento

Desde março de 2020, com a disseminação acentuada do Covid-19, o Jardim Colombo se mostra ativo e produtor de bons resultados no combate aos efeitos do vírus.  A comunidade, localizada na zona oeste de São Paulo e composta por 15 mil habitantes, atribui tamanho sucesso ao movimento Fazendinhando, uma iniciativa feita por moradores, que se coloca como potente instrumento de regeneração territorial baseada nos desenvolvimentos cultural, educacional e social.

Liderado por Ester Carro (25) – arquiteta e urbanista social nascida e residente no Jardim Colombo, junto a seu pai, Ivanildo de Oliveira, líder comunitário e presidente da União dos Moradores -, o Fazendinhando surgiu no final de 2017 com a missão de transformar uma antiga área destinada à descarte de resíduos no atual projeto do Parque Fazendinha, e assim estabelecer a primeira área verde do Jardim. Com a chegada da pandemia, tanto implantação quanto atividades que vinham sendo promovidas no tal parque foram estacionadas em respeito às normas de isolamento, dando início, portanto, às ações de suporte às famílias em situação de vulnerabilidade.

Segundo os organizadores do movimento, vários fatores contribuíram para o efetivo acontecimento das ações. Sob coordenação de um morador do Jardim Colombo, membro ativo do Fazendinhando e estudante de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), rapidamente formou-se uma forte rede de voluntários da própria comunidade para cadastramento das famílias e posteriores distribuições. O levantamento de donativos, por sua vez, foi estruturado por diversas instituições (confira ao final da matéria), em parceria com o Insper, apoio da Fundação Tide Setubal e Instituto Galo do Amanhã, e coordenação de Carolina da Costa e João Oliveira, engenheiro e antigo professor da USP.

Até agora foram distribuídos mais de 25 mil cestas básicas (com kits de higiene), 23 mil marmitas e sete mil cestas de hortifrútis, além de outros itens como fraldas, leites, livros, brinquedos e roupas, cuja captação se deu via Comitê Popular de Combate ao Covid-19, sendo posteriormente encaminhadas às lideranças de diferentes comunidades além do Jardim Colombo, como Heliópolis, Centro, Cumbica, Tiradentes, Sapopemba, São Remo, Vila Guaraciaba, Jardim Keralux, Porto Seguro, Pinheiral, Jardim São Luis, Jardim Silvia (Embu), Grajaú, João XXIII, Jardim Marabá, Jardim Piratininga, Peruíbe e outras.

Ademais aos esforços relacionados às arrecadações, a comunidade afirma que até o momento não há registro de mortes por Covid-19 no Colombo. Tal realidade é fruto da parceria estreita com a UBS local e com a participação ativa do SAS, uma associação social sem fins lucrativos, que realiza ações voltadas à área da saúde e, de pronto, destinou uma equipe exclusiva para a comunidade, auxiliando em atendimentos e orientações remotas às famílias.

Paralelamente a estas ações, o movimento capitaneou a participação de costureiras para produção de mais de 190 mil máscaras distribuídas gratuitamente como parte do projeto Heróis Usam Máscaras, uma ação conjunta dos bancos Bradesco, Itaú e Santander, com concepção do Instituto BEĨ, gerando renda às costureiras das comunidades.

Além do Fazendinhando, outros projetos surgiram em meio aos desafios dos últimos meses, como é o caso do Fazendeiras e do Fazendolar. O primeiro irá convidar mulheres do Jardim Colombo para auxiliarem no preparo de alimento e na construção civil; já o segundo, busca conectar a comunidade a estudantes de arquitetura, engenharia, design e áreas afins para registrarem seus contatos com o local através de desenhos, fotografias, vídeos, textos, poesias e assim integrarem a cidade formal e informal.

Conheça mais sobre o Fazendinhando e apoie a iniciativa.

 

* São estruturantes das ações do Fazendinhando:

BEĨ Editora
Instituto BE
Ĩ
Por quê? – Economês em bom português
Núcleo de Mulheres e Território do Laboratório ArqFuturo de Cidades
Instituto Itaú Social
Avenues School
Colégio Santo Américo
Casa Cor
JHFS – Shopping Cidade Jardim
By Kamy
SAS
Bauducco
Cacau Show
Fundação Aron Birmann