Imagem: Cortesia Arquitetos Associados

Financiamento coletivo viabiliza jardins do Museu do Pontal, no Rio de Janeiro

Com arquitetura e paisagismo assinados, respectivamente, pelos mineiro Arquitetos Associados e escritório Burle Marx, a nova sede do museu apresenta jardins internos e externos como principais articuladores do espaço, que receberão mais de 30 mil mudas de espécies brasileiras, diversificas entre árvores frutíferas, vegetação tropical e paisagens da Caatinga

Em dezembro de 2020, o Museu do Pontal promoveu uma campanha de financiamento coletivo de sucesso para o plantio de jardins externos e internos em sua nova sede na Avenida Célia Ribeiro, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, prevista para ser inaugurada entre abril e junho deste ano.

 

 

Contabilizando 123 benfeitores, a contribuição atingiu marcas da ordem de R$ 270 mil, dos quais aproximadamente R$ 20 mil por doação direta, R$ 50 mil mediante renúncia fiscal do governo de até 6% do total do Imposto de Renda Pessoa Física, e cerca de R$ 200 mil por doação de empresa privada.

A soma garante realização integral do paisagismo de uma área de dois mil metros quadrados que, nesta primeira fase, reserva-se para o plantio de mais de 30 mil mudas, de 37 espécies brasileiras, incluindo árvores frutíferas, vegetação tropical e paisagens da Caatinga, todas em diálogo com o acervo do Museu do Pontal – o maior e mais significativo museu de arte popular do país, cujo acervo reúne mais de 8.500 peças de 300 artistas de 20 estados. Em futura campanha, o foco será o plantio do bosque de oito mil metros quadrados, que contribuirá expressivamente para a purificação do ar da região.

Lucas Van de Beuque e Angela Mascelani, que dirigem a instituição – ele como diretor-executivo e ela como diretora-curadora – se dizem aliviados e confiantes:

Ao longo dessa jornada percebemos nitidamente que somente através de uma sociedade civil organizada e forte é possível resistir. Temos esperança que exemplos como o nosso, de mobilização da sociedade, sejam inspiradores para a construção de um país mais justo, inclusivo, diverso e plural. Essa união em torno de propósitos é ainda mais relevante, nas circunstâncias atuais”.

O novo espaço, instalada em um terreno de 14 mil metros quadrados, próximo ao Bosque da Barra, amplia o raio de atuação e programação do Museu do Pontal, que assim irá se constituírem um dos mais relevantes equipamentos de arte e cultura da Zona Oeste do Rio de Janeiro, promovendo ainda projetos sociais, ambientais e educacionais.

O projeto

Para receber o acervo – alvo de elogios do falecido escritor português e prêmio Nobel de Literatura de 1998, José Saramago –, os líderes do Arquitetos Associados (André Luiz Prado, Alexandre Brasil, Bruno Santa Cecília, Carlos Alberto Maciel e Paula Zasnicoff) desenvolveram um edifício que partiu tanto do reconhecimento das especificidades do museu atual quanto das características do novo sítio, da paisagem e da geografia do novo endereço da instituição.

Segundo entrevista realizada com o quinteto em 2016 [veja em Revista Projeto – Projetos Futuros: Arquitetos Associados, Museu Casa do Pontal, RJ], o grupo reconheceu as virtudes das antigas instalações do museu, que representam uma “síntese entre paisagismo notável e edificações austeras”, procurando conferir ao presente prédio semelhante comportamento.

Dessa maneira, o novo edifício repropõe tal interação através do cuidado com a escala, quando visto à distância, e do detalhado estudo acerca da sequência de espaços internos, que alterna interiores, pátios e jardins, com o objetivo de propiciar uma experiência qualificada dos espaços expositivos e de permanência.