© Produzido pelos autores

Bioma XP é finalista no MIPIM Awards 2021

A proposta é assinada pelos renomados studio mk27 e Estudio Guto Requena e concorre na categoria principal Mega Projetos Futuros. Conheça!

O projeto para a nova sede da Bioma XP, de autoria do studio mk27 e Estudio Guto Requena, é finalista no prêmio MIPIM, reconhecida premiação internacional do setor imobiliário, que homenageia propostas realizadas, concluídas ou ainda em fase de projeto, ao redor do mundo. Dentre as 12 categorias, a criação da dupla brasileira está concorrendo com mais três projetos – provenientes de Reino Unido, Rússia e China – na seção principal intitulada Mega Projetos Futuros. A cerimônia de premiação está em andamento desde ontem (7/9), em Cannes, na França, e finaliza ainda nesta quarta-feira (8), quando serão anunciados os vencedores.

Os arquitetos propuseram um novo bioma com 700 mil metros quadrados desenvolvidos por edifícios horizontais imersos em copas de árvores “para impulsionar a criatividade, a experiência comunitária e a conexão com a natureza”. Arquitetura e paisagem se intercalam para contemplar o programa diverso: espaços de trabalho flexíveis, áreas de lazer, esportes, educação, eventos, convenções e restaurantes.

 

Durante o último ano, os processos de virtualização das corporações nos fizeram questionar a real função de um espaço físico corporativo, que passa a ter importância maior como catalisador social e impulsionador da cultura empresarial. O projeto da XP imagina uma nova experiência de trabalho e estilo de vida, no qual natureza e tecnologia estão intimamente integradas com a intenção de celebrar o coletivo e apontar possibilidades de futuro”, pontua a equipe.

 

Para responder às dinâmicas vindouras, o conceito parte da sustentabilidade como um de seus princípios na busca pelo ciclo de produção saudável e autonomia energética. Amparados pelos selos LEED, de alta eficiência e sustentabilidade e Fitwell, de bem-estar, destacam-se a escolha de materiais locais com baixa emissão de carbono, de estrutura mista pré-fabricada metálica e em madeira de fácil montagem, que possibilitam uma obra limpa e com redução significativa de resíduos não recicláveis.

 

 

© Produzido pelos autores

 

O desenho da arquitetura privilegia a adequação ao conforto térmico e acústico e a ventilação e iluminação natural. A utilização de painéis solares junto da cobertura verde, juntamente ao sistema de captação de águas pluviais, demonstra sinergia entre recursos naturais abundantes e a geração de soluções criativas e tecnológicas.

A entrada principal permite acessar os espaços através de vias compartilhadas, que convidam a uma fruição ativa da Villa através do caminhar, ou do uso de bicicletas e patinetes que compartilham o espaço com veículos autônomos e elétricos.