Após deixar Cassino da Urca, IED Rio se estabelece no Centro da cidade

A nova sede do Istituto Europeo di Design do Rio de Janeiro passa a funcionar, a partir do próximo agosto, na tradicional Casa D’Italia, endereço imerso na região carioca reconhecida por extensa vocação cultural

Casa D’Italia © Bruno Weler

 

O Istituto Europeo di Design do Rio de Janeiro (IED Rio) ocupa novo endereço: a Casa D’Italia, icônico edifício situado na região central da capital carioca. Posta no encontro das avenidas Presidente Antônio Carlos e Beira-Mar, a mais recente localização da sede institucional torna-lhe compreendida no setor de principal disseminação cultural da cidade.

“O Rio de Janeiro é um berço criativo para o país e para o mundo, e também para a moda e para o design. Por este motivo, desde minha chegada ao IED, em 2019, defendi que a nossa permanência na cidade estava garantida. E hoje, a partir da mudança para a Casa D’Italia, conseguimos dar continuidade ao projeto educacional, sonhado pelo nosso fundador Francesco Morelli (…). O novo espaço levou em consideração a história do IED no Rio. Fizemos visitas a outros locais também icônicos, pensando também na facilidade logística aos nossos alunos, colaboradores e parceiros, e claro, na infraestrutura das salas de aula, laboratórios e espaços para eventos. Foram meses de negociações, até que chegamos neste local especial, chamado de Casa D’Italia, graças ao Senhor Paolo MiragliadelGiudice, Cônsul da Itália no Rio de Janeiro, que nos proporcionou este que estou chamando de recomeço na Cidade Maravilhosa”, conta Gianfranco Pisaneschi, diretor-geral do IED no Brasil.

 

 

Sabe-se que a Casa D’Italia, edifício de oito pavimentos, foi construído pelo governo italiano nos anos 1930, em colaboração com a comunidade italiana moradora na cidade. Historicamente ocupado pelo Consulado Geral da Itália e o Istituto Italiano di Cultura, agora a construção congrega também o IED, no segundo andar, que prevê abertura oficial para o próximo mês de agosto, segundo protocolos de segurança da Secretaria Municipal de Saúde, logo após concluídas as reformas no local. Soma-se à área útil do Instituto, a Sala Itália, teatro com capacidade de 150 lugares, e o Terraço Belvedere, já familiarizado com eventos promovidos pela instituição.

Tenho certeza que esta nova parceria, de longo alcance, entre o Consulado Geral da Itália e o IED, graças a uma maior integração, irá criar múltiplas oportunidades e sinergias para o futuro desenvolvimento de atividades culturais e  educacionais italianas no Rio, dinamizando e fortalecendo ainda mais as relações entre a Itália e o Estado carioca nos setores prioritários da inovação, design e economia criativa”, comenta o Cônsul-Geral da Itália, Paolo Miraglia Del Giudice.

IED Rio à procura de casa – histórico da instituição no Cassino da Urca

Após 40 anos instituído em Milão, em 2006 o IED chegou ao Rio de Janeiro para instalar-se e integrar-se às atividades da cidade. No processo de busca por um endereço, encontrou disponível para ocupação justamente um prédio pertencente à Prefeitura, edificado para abrigar, de início, o Hotel Balneário (1922), depois o Cassino da Urca (1933) e, por fim, a TV Tupi (1951-1980).

Mediante interesse manifestado pelo Instituto, a Prefeitura, há anos na tentativa de angariar parceiros para ocupação do edifício, mobilizou termos e prazos para que outras propostas pudessem ser apresentadas, na intenção de tornar tal oferta pública e inquestionável. Corridas as determinações, o termo da cessão de uso, por 25 anos, foi finalmente assinado pela instituição italiana em agosto de 2006.

No entanto, logo na primeira fase de revitalização do prédio – digno de nota, o projeto é assinado pelo arquiteto Ado Azevedo -, as obras permaneceram paralisadas por quase cinco anos, devido a disputas judiciais e ambientais de questionamento à licitação e eventuais entraves de trânsito na região – o que somente foi superado a partir de maio de 2014, quando o IED pôde enfim ser inaugurado e colocou em prática suas referenciais atividades de ensino.

No início de 2019, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Instituto aprovou o projeto da segunda fase de revitalização do edifício, com investimento total de R$ 21,4 milhões – R$ 11,4 milhões do referido banco e o restante proveniente do Grupo IED, de Milão, no âmbito da Lei Rouanet, .

Em meados do mesmo ano, a cessão por 25 anos do edifício foi inesperadamente contestada. O Superior Tribunal de Justiça considerou o texto da sentença de abertura de 2014 “mal formulada” e devolveu o processo para o tribunal do Rio de Janeiro, em primeira instância. Novamente nesse tribunal, sem que qualquer uma das partes, tanto a Prefeitura como o IED, fossem ouvidas, decidiu-se que a cessão era ilegal e, portanto, o Cassino deveria ser devolvido à Prefeitura. Tanto Prefeitura quanti IED poderiam recorrer à segunda instância, e reverter a decisão. Contudo a direção do Instituto em Milão optou por fazer distrato amigável com a Prefeitura, e deixar o Cassino.

O edifício foi colocado, portanto, em nova licitação, desta vez para locação. Ambas as decisões, distrato e nova licitação, foram publicadas no Diário Oficial da Prefeitura, e ambas são decorrentes da decisão da justiça do Rio, de julho de 2019, de tornar nulo o ato de cessão assinado com o IED em 2006.

O Instituto permaneceu no edifício do Cassino da Urca até 21 de fevereiro de 2021, quando o grupo Eleva passou a ocupar o local, depois de ser o único candidato na terceira chamada da licitação aberta pela Prefeitura, em junho de 2020. Continuou, porém, sendo intenção do IED manter sua tradicional escola de design funcionando na cidade, o que se concretizará a partir do estabelecimento na Casa D’Italia.