Veja como foi o Apaixonados por Arquitetura 2021!

De 4 a 8 de outubro, este que já se faz como maior evento nacional do setor reuniu grandes amantes de um bom projeto. Aqui inserimos os melhores momentos, temas e falas dos nossos ilustres convidados!

Com início em 4 de outubro, o Apaixonados por Arquitetura, uma realização da Revista PROJETO e da Galeria da Arquitetura, congregou em formato on-line grandes nomes da arquitetura nacional e indústria da construção durante cinco dias consecutivos de muito conteúdo que fomentou os amplos sentidos da comunidade arquitetônica pela profissão, oferecendo conteúdo, inspiração, especificação e networking por meio de debates abrangentes.

Transmitidos pela plataforma e canal no YouTube da Galeria da Arquitetura, a segunda edição do evento obteve grandiosa quantidade de interação e acesso por aqueles que amam um bom projeto. Passaram pelo palco os ilustres Carla Juaçaba, Terra e Tuma, Arquitetos Associados, Gustavo Penna, Elizabeth de Portzamparc, Bloco Arquitetos, Königsberger Vannucchi, Marko Brajovic, Guto Requena, Arquitetura Nacional, SuperLimão Studio, José Paulo Gouvêa e Benedito Abbud.

Além deles, o quadro de patrocinadores que viabilizaram o grandioso evento e que, em si, representam o que há de mais promissor na indústria da construção civil: Roca Cerámica, Knauf Ceiling Solutions, Herman Miller, Schüco, Belamari, Serge Ferrari, Aubicon, Cebrace, Saflez, Eastman, Assa Abloy e WAP Air + Daikin.

Compilamos aqui alguns recortes que destacam abrangência e densidade dos temas discutidos pelo nosso quadro de convidados da semana!

1º Dia

Abrindo a programação da semana, a arquiteta Carla Juaçaba conversou com os expectadores a partir de Londres, onde reside atualmente. Ela é professora na Accademia di Architettura di Mendriso, na Suíça italiana, e cursa pós-doutorado na Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Madrid, na Espanha.

O título da sua apresentação no Apaixonados por Arquitetura, “Transitoriedades: arquitetura e arte, presenças e ausências”, menciona alguns aspectos centrais da sua obra e poética: 

  • a participação em projetos artísticos (instalações e mostras, temporárias) e outros híbridos, de arquitetura/arte (como o Pavilhão Humanidades, de 1992, e o Pavilhão do Vaticano na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2018,
  • a interface crítica e expressiva com o mundo das artes,
  • a simplicidade da sua arquitetura, muitas vezes minimalista ou essencial em meios, de modo a criar espaços convidativos à permanência e que registram a passagem do tempo

Dentre a variedade de projetos efêmeros apresentados pela arquiteta, destacam-se a Capela do Vaticano da Bienal de Veneza de 2018 e o pavilhão Humanidade 2012, implantado no forte de Copacabana, no Rio de Janeiro – autoria de Juaçaba, com Bia Lessa e Pedro Pederneiras [Confira matéria completa na Revista PROJETO] -, como sintomáticos da sua sensibilidade delicada mas potente, capaz de criar obras esteticamente diversas entre si, em correspondência com os locais de implantação, seus usuários e os recursos disponíveis para a construção.

 

[As escalas variadas dos projetos] me fazem perceber que cada material exige uma precisão diferente. Para trabalhar com o andaime no Pavilhão da Humanidade é quase necessário coordenadas espaciais, pois o sistema é em si bem resolvido; já na Capela do Vaticano, é exigido precisão e delicadeza de construção por ser concebida em tão poucas peças, pois cada detalhe será visto de perto”, complementou Juaçaba.

 

 

Em seguida, apresentaram-se os arquitetos do Terra e Tuma, de São Paulo. Atualmente comandada por Danilo Terra, Fernanda Sakano, Juliana Terra e Pedro Tuma, a equipe teve grande exposição na mídia geral e especializada com as suas obras residenciais, mas é vasto o seu campo de atuação.

Falando sobre o desenvolvimentos dos seus projetos, os arquitetos intitularam a sua participação no Apaixonados por Arquitetura de “Copia Sinverguenza”, nome utilizado anteriormente na galeria de arquitetura mexicana, a Liga, em 2019, e referente “ao aprimoramento de estratégias que repetimos ao longo do tempo nos nossos projetos”, declaram os arquitetos.

Trata-se de uma espécie de manifesto contra a corrente de pensamento que prega que, na arquitetura, deve-se inovar sempre:

Tem a ver com ‘originalidade’ relacionada ao termo ‘origem’, e não com ‘ineditismo’. Quando fazemos nosso ofício aqui no escritório, às vezes achamos que estamos nos repetindo, mas não é isso… tem a ver com a repercussão do nosso cerne, da nossa origem na forma de pensar”, destacou Pedro Tuma.

 

O tema, em comparações projetuais, debateu a semelhança, mas também a originalidade expressas nas implantações e configurações de cheios e vazios das casas autorais Maracanã (2009), Ubaíra, Vila Matilde [Confira matéria completa na Revista PROJETO] e Mipibu (2015). Além delas, o Edifício Tico RV (2021) e o Edifício Tico Indiana (2023), ambos em São Paulo, ilustraram um “mesmo caminho, mas em outro tipo de programa e proporção”, complementou Danilo Terra.

 

 

No talk com a Belamari, representada por Adriana Sousa, arquiteta da marca, e Sérgio Ferreira, arquiteto convidado, explorou-se o espaço externo funcional na arquitetura, bem como as aplicações das pastilhas Belamari nesses que se tornaram “ambientes ainda mais requeridos com o advento pandêmico”, segundo Sousa. Em bate-papo descontraído, Sérgio Ferreira, diretamente de Salvador, apresentou projetos autorais, discorrendo sobre versatilidade, excelência em qualidade, segurança, durabilidade e aprovação dos materiais da marca, com recorrência especificados em piscinas, deques, saunas, cascatas, áreas de banho e lazer assinados pelo arquiteto. Saiba mais em: www.pastilhasbelamari.com.br.

Concluindo o primeiro dia de encontros, a ASSA ABLOY, detentora da La Fonte, uma das marcas que compõem seu vasto portfólio e que, em 2021, completa 102 anos de história, apresentou o lançamento da Linha Vanguard, maçanetas que mesclam os princípios do design essencial, robustez, durabilidade, conforto e inovação, resultado de pesquisas feitas por time de desenvolvimento La Fonte e por trocas com cliente final, lojistas, construtores, arquitetos. “A linha é, na verdade, uma criação que funde arte e design”, comenta Gil Azoni, Gerente de Produtos da La Fonte e Yale. “Esses princípios tornam as peças atemporais e adaptáveis à ampla gama de estilos de ambientes”, complementa Claudia Lopes, Gerente de Produtos da Papaiz, outra marca do grupo ASSA ABLOY. Saiba mais em: www.lafonte.com.br.

 

2º Dia

Dois escritórios mineiros nesta terça-feira, 5 de outubro, no segundo dia de Apaixonados por Arquitetura!

O primeiro a se apresentar foi o Arquitetos Associados, dos sócios Paula Zasnicoff, Alexandre Brasil, André Luiz Prado, Bruno Santa Cecília e Carlos Alberto Maciel. O título da sua palestra foi “Ressignificando tempos e espaços”, com o qual os arquitetos apresentaram três projetos recentes de sua autoria: o Museu Casa do Pontal, cuja nova sede acaba de ser inaugurada no Rio de Janeiro; o projeto (em andamento) da Pina Contemporânea, de adaptação e ampliação do novo complexo arquitetônico incorporado à Pinacoteca de São Paulo em 2018; e a curadoria do ‘Futuros do Passado ‘e os ‘Futuros do Presente’, mostra concebida pelo quinteto, juntamente com o designer e artista visual Henrique Penha, para o pavilhão brasileiro na 17ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza – em cartaz até novembro próximo [Confira matéria completa na revista PROJETO: ‘Entrevista – Arquitetos Associados e a curadoria do pavilhão brasileiro na 17ª Bienal de Veneza’].

 

É interessante pensar na ideia da utopia relacionada ao projeto, pois é ele que nos move a olhar para o futuro. É íntimo pensar no projeto e imaginar futuros possíveis a partir daqueles que consideramos ideais”, pontua Paula Zasnicoff.

 

Transformar o existente, de modo a dar nova vida a espaços e estruturas abandonadas ou obsoletas, foi o pano de fundo da apresentação do Arquitetos Associados.

 

 

Em seguida, o público pode acompanhar a fala de Gustavo Penna. Através de uma abordagem poética e reflexiva sobre a atividade do arquiteto, Penna percorreu alguns dos projetos recentes de sua autoria, muitos deles em andamento, através do fio condutor do título “Desenho e Palavra”. O que se quer dizer com a arquitetura? Como se diz o que se quer dizer com a arquitetura? Como são criados os lugares? O lugar, para Penna, “é a tensão que existe entre as coisas”.

Dentre diversas obras autorais apresentadas, aquela que encanta, inclusive pelo discurso tocante de Penna, é o projeto Memorial Brumadinho [Confira matéria completa na revista PROJETO], escolhido pela Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão Brumadinho (Avabrum), e que visa promover uma reflexão sobre a transcendência e homenagear as vítimas do rompimento da barragem, ocorrido em janeiro de 2019:

 

Quando nós fizemos o projeto para a comunidade de Brumadinho, foram eles que escolheram. Esse foi um dos momentos mais ricos da minha vida, porque, conforme avançamos, tocamos em pontos sensíveis de seus corações – gostaram do projeto e continuaram gostando, pois representava seus sentimentos. (…) Isso é humildade, eu não tenho arrogância de impor ideia, eu quero a riqueza do contato, e a maravilha que é o outro. Se o projeto for absorvido nisso, ele é potente!”, declarou Penna.

 

 

Já no bloco de patrocinadores do dia, a Knauf Ceiling Solutions, junto de Paula Omizzolo, Gerente Técnica e de Especificação da marca, e Thiago Rodrigues, Sócio do escritório Superlimão, explanaram sobre ‘Criatividade e conforto acústico em espaços corporativos e comerciais’.

Segundo Rodrigues, além de atentar para importância da acústica à saúde e ao bem-estar do usuário em determinado ambiente, é de igual relevância “conhecer os materiais disponíveis no mercado para conseguir trabalha-lo e trazê-lo como protagonista no projeto”. Além disso, ressalta para a necessidade de identificar as exigências apresentadas pela individualidade de cada projeto, seguido do desafio de entender o quanto será possível investir na solução acústica: “Hoje temos muita abertura por parte do cliente, sobretudo quando a proposta se justifica por aliar função à estética”.

 

Restaurante Bullguer, no Centro de São Paulo, projeto do SuperLimão Studio © Fotos Israel Gollino

 

Em complemento, Omizzolo ressalta a flexibilidade de aplicação dos revestimentos acústicos da Knauf, seja para usos corporativos, comerciais, de lazer, e mais: “Nós temos soluções muito diversas e interessantes às necessidades dos diferentes ambientes e propostas dos projetos, cada vez mais inovadores, criativos e exigentes em estética e qualidade”. Saiba mais em: www.knauf.com.br.

Encerrando o quadro de apresentações do dia, a Serge Ferrari, por meio das falas de Rodrigo Dezotti, Country Manager Brasil da marca, e do arquiteto José Paulo Gouvêa, fundador do JPG.ARQ, apresentam o projeto do Pavilhão do Brasil para a Expo Dubai 2020, recém-inaugurado à visitação ao público na última sexta-feira (1/10). Ganhador de concurso internacional, o pavilhão é fruto da parceria entre o escritório de Gouvêa, do argentino Bem-Avid Studio e do paulistano MMBB Arquitetos, com curadoria expositiva de Guilherme Wisnik e Alexandre Benoit.

 

Nesse contexto de feira, a arquitetura serve como parâmetro para registrar como se pensa na época. Então tivemos sempre a noção da importância de incluirmos um projeto brasileiro – pensamento brasileiro – que estaria entremeado aos de tantos outros países”.

 

© Rui Furtado

 

A membrana fornecida pela Serge Ferrari foi então utilizada de maneira não usual, isto é, translúcida, reveste o cubo de aço, e faz uma cobertura flexionada com caimento para a água que escoa à Praça das Águas. “O mote inspirador para o pavilhão brasileiro foi as águas brasileiras, às quais jogamos luz”. Saiba mais em: www.sergeferrari.com.

 

 

3º Dia

Elizabeth de Portzamparc abriu a programação deste 3º dia de Apaixonados por Arquitetura. Carioca radicada na França desde o final dos anos 60, a arquiteta intitulou a sua apresentação de “Nexus: arquitetura de conexões”, baseando-se em projetos de escalas diversas para abordar o tema da preservação ambiental sob a perspectiva da arquitetura urbana.

A denominação evoca estratégias para tornar aprazível a maior densidade urbana, como os bairros verticais, e, consequentemente, evitar o esvaziamento dos centros das cidades. “Este é o principal fator de destruição dos campos, como em Taichung, Shenzen e Clichy”, mencionou Elizabeth nas conversas preparatórias para o evento, citando exemplos de cidades na China e na França aonde têm trabalhos em andamento.

Outro aspecto da sua produção mencionado no Apaixonados por Arquitetura foi a criação de equipamentos abertos para a cidade, como o Palácio da Ciência, em Shangai, o GED, no Campus Condorcet, em Albervilliers (Paris), e o Musée de la Romanité, em Nîmes (França). [Confira matéria completa na revista PROJETO]

 

Eu creio que tive muita sorte por encontrar clientes abertos a fazer experimentações programáticas. São pessoas sensíveis a pensar a longo prazo, porque sustentabilidade é isso, cidade é isso. Então conseguimos estabelecer esse diálogo, que é um motor para a condição da minha arquitetura, em si, muito econômica, no sentido de não investir demasiadamente em efeitos plásticos, mas dosar com invenções de uso e programa, fazendo uma arquitetura simples, mas inovadora”, respondeu a arquiteta à editora executiva da PROJETO, Evelise Grunow.

 

 

Em seguida, o trio do BLOCO Arquitetos, de Brasília, Henrique Coutinho, Daniel Mangabeira e Matheus Seco, falou da importância que tem, em seus projetos, o enfrentamento de aspectos intrínsecos ao sítio, ao programa e ao conjunto de demandas envolvidas em cada criação. Um raciocínio, enfim, norteador da – diversidade da – sua arquitetura. A sua palestra foi intitulada “Arquitetura de Adequação” e nela foram abordados dois projetos residenciais: a Casa Cavalcante [Confira matéria completa na revista PROJETO] e a Casa Palicourea, ambas imersas no cerrado brasileiro.

 

 

A gente não tem uma relação histórica e prática com pré-fabricação [no Brasil]. E aqui no escritório, eu não acredito que a aplicamos intencionalmente como estratégia de aumentar o controle na obra; também temos uma relação muito pragmática de adequação aos custos que, no caso da pré-fabricação, é menor. (…) A Casa Cavalcante, por exemplo, que teve todas as vigas encomendadas, teve peças cortadas pelo serralheiro na obra… então ainda dependemos muito para que esses princípios da pré-fabricação sejam efetivamente aplicados”, discorreu Daniel Mangabeira.

 

Passando para o quadro de talks do dia, a Roca Brasil Cerámica traz Christie Shulka, Marketing Manager da marca, para falar sobre “A Era da Essencialidade, do Feminino, a Volta às Origens e os Insights para 2022”. Atento a essas discussões multidisciplinares, o Grupo assim se firma progressivamente como referência na produção de peças que exprimem conceitos tematizados na contemporaneidade.

“Olhamos macrotendências para elaborar coleções futuras”, diz Christie Schulka, Marketing Manager da Roca Brasil Cerámica. Consistem como fortes referências criativas a mescla de questões expressivas e comportamentais, em consonância com produtos consolidados pelos setores arquitetônico, construtivo ou de design.

Segundo a especialista, para os Insights 2022-23, a base se firma em disciplinas que já se manifestavam mundialmente há alguns anos e, por conta da situação pandêmica, foram intensificadas e aceleradas – dentre outras, as que sinalizam os grupos do  ‘Essencialismo’, da ‘Era do feminino’ e do ‘Retorno às origens’. O trio de macrotendências compartilha entre si o âmago daquilo que preza pelo essencial, conferindo sutileza, acolhimento e aconchego ao espaço. Saiba mais em: www.rocaceramica.com.br.

Para finalizar a programação da quarta-feira, WAP Air + Daikin apresentam a palestra “Simplificando o ar-condicionado nos projetos de arquitetura”, na qual, através da abordagem de diversos aspectos técnicos aprimorados de seus produtos, debatem, sobretudo, acerca da importância de indissociar projeto arquitetônico e de ar condicionado, a fim de obter a melhor solução em qualidade do ar nos ambientes.

 

Tem que ser feito um bom projeto compatibilizando arquitetura e ar condicionado, além de ser instalado de maneira criteriosa e, claro, utilizando bons materiais”, afirma Wallace Nascimento.

 

Saiba mais em: www.wapair.com.br e www.daikin.com.br.

 

 

4º Dia

Abrindo a programação do quarto dia do Apaixonados por Arquitetura, o Königsberger Vannucchi, a partir do tema “50 anos e novos caminhos”, fizeram uma retrospectiva breve, mas incisiva, sobre os momentos de fundação da sociedade entre Jorge Königsberger e Gianfranco Vannucchi, em 1972, a produção do escritório até agora, e aquela que aponta para a continuação de abrilhantados caminhos. Dentre as inúmeras obras, passaram pela apresentação o Sesc Avenida Paulista [Confira matéria completa na PROJETO], Edifício Residencial MN15 [Confira matéria completa na PROJETO], Edifício Platina [Confira matéria completa na PROJETO].

 

 

Formatados em trabalho remoto, o escritório permanece produzindo – prova é o crescimento entre março de 2020 e o presente momento, período em que somaram à equipe 72 colabores – em um sistema colaborativo, com pessoas de diversas nacionalidades (Brasil, Espanha, Portugal, Itália, México e mais). “A pandemia abriu possibilidades, porque antes os funcionários tinham de residir em São Paulo. Agora trabalham de onde estiverem”, conta a equipe.

Atuante em múltiplas escalas e usos (casas, edifícios residenciais, comerciais, mistos, equipamentos públicos de lazer, educação, saúde, infraestrutura entre outros), a dupla representativa na tarde, Gianfranco Vannucchi e Daniel Toledo, destaca a ampliação da demanda no escritório por projetos de arquitetura, interiores e paisagismo, além do planejamento de grandes áreas urbanas:

 

Vemos que, nos masterplans, há principalmente maior vontade dos proprietários dessas grandes áreas em planejarem ocupação, pois têm visto benefício coletivo em proporcionar bons projetos, além de gerar valor econômico agregado”, comenta Toledo. “O Edifício Platina é um exemplo disso, pois, assim como ele, a maioria desses imóveis são de investidores… então criar um eixo virtuoso realimenta a valorização deles próprios”, complementa Vannucchi.

 

Em seguida, o croata naturalizado brasileiro Marko Brajovic, fundador do Studio Marko Brajovic, através do fio condutor “A Forma da Natureza | A Natureza da Forma” abordou as origens da arquitetura, entendida como a própria natureza, e de seus caminhos evolutivos no contexto ecológico.

Percorrendo a temática “Como viveremos juntos?”, da 17ª Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza deste ano, na qual foi responsável pelo projeto ROOTS – mangrove ecosystem, participante da exposição Future Assembly – com curadoria do Studio Other Spaces, do artista plástico Olafur Eliasson e do arquiteto Sebastian Behmann -, demonstrou obras autorais, sempre com o reforço da importante consciência ecológica na atuação profissional e no restante das disciplinas coletivas.

 

 

O Atelier acredita que o multilateralismo futuro deve expandir-se além da visão de mundo centrada no homem. As raízes de manguezais manifestam o sistema de conexão e comunicação que opera como um superorganismo inteligente e distribuído. Projetada pela natureza, esta rede resiliente purifica e regenera o sentido de coexistência no espaço e no tempo:

 

A natureza da arquitetura é primordial, é uma vocação existencial em operar nesta teia da vida que há em nosso planeta, isto é, uma natureza de coexistência, coevolução, relacionamento entre humanos e demais elementos e seres vivos. A arquitetura cria, portanto, interfaces constantes do nosso ser com a natureza interna e do nosso contexto”, defende Brajovic.

 

Já na sequência de talks com nossos patrocinadores, Flavia Salazar, arquiteta da Schüco, estreou o quadro de fala ao apresentar uma gama de sistemas de alta qualidade para janelas, portas e fachadas de alumínio, PVC e aço, atreladas aos princípios de design, conforto, segurança e eficiência energética, alta e constantemente assegurados e desenvolvidos pela marca. Com a disponibilidade de uma equipe de arquitetos especializados para atendimento de clientes, a Schüco, nas palavras de Salazar, reforça:

 

Acreditamos que os fornecedores tenham um papel muito importante, porque desenvolvemos ferramentas para que conceitos sejam aplicados nos projetos. Portanto trazemos soluções para que a arquitetura seja funcional e atinja objetivos técnicos e estéticos”.

 

Saiba mais em: www.schueco.com.

Complementares aos sistemas de esquadrias estão os vidros, nesta quinta-feira representados pela Eastman, produtora da marca Saflex, que, desde 1937, é gigante na produção de vidros laminados aplicáveis aos setores de arquitetura e automotivo. Daniel Domingos, Gerente de Contas Sênior Interlayers América Latina, a partir do título “Explorando os benefícios de alto desempenho do vidro laminado”, explicou sobre propriedades técnicas e tecnologias desenvolvidas pela marca para alcance do alto desempenho do material.

São vidros Saflex aqueles presentes no último restauro da pirâmide do Louvre, da fachada do Lincoln Cinema, em Miami (EUA), da fachada do Academy Museum of Motion Pictures (2020), em Los Angeles (EUA), assinado por Renzo Piano, entre inúmeras outras obras de destaque. Saiba mais em: www.saflex.com.

 

© Imagens Academy of Motion Pictures

 

 

5º Dia

Último dia da programação do Apaixonados por Arquitetura 2021!

A tarde foi inaugurada pela presença do arquiteto Guto Requena que, através de seu olhar inventivo e investigador, sobretudo ligado a aplicações tecnológicas, explorou o “Arquitetar Híbrido”, fio condutor não somente da palestra, mas do seu fazer arquitetônico.

Explanando seleta parcela dos inúmeros projetos autorais compositores do portfólio de sua carreira, Requena abordou questões intrínsecas aos princípios da arquitetura expandidos a múltiplos setores. “A arquitetura cada vez mais se transforma, e nós arquitetos podemos navegar para infinitos lugares”, complementa o arquiteto.

 

 

Até o momento, todas as nossas pesquisas, sobretudo àquelas aplicadas ao espaço urbano, tiveram o objetivo de aproximar ao outro. (…) Hoje em dia, as pessoas estão mais disponíveis à experiência tecnológica, e vejo que a pandemia acelerou o acesso à tecnologia – no escritório, por exemplo, clientes chegam com repertório justamente por terem visitado mostras virtuais, ou que proporcionam experiências imersivas. Antes era mais difícil nos depararmos com isso”, diz Requena.

 

Já o Arquitetura Nacional, fundado em 2010, na capital gaúcha, continuou a sequência de palestras a partir da retrospectiva desses poucos anos de escritório, mas sobremaneira já expressivos à produção da comunidade arquitetônica brasileira. Hoje, extrapolam fronteiras e atuam de e em diversos estados do país.

Representado pelo trio fundador, os sócios Elen e Eduardo Maurmann, e Paula Otto, discutiram sobre linguagem na concepção projetual, fazendo um paralelo entre referências históricas e olhares ao futuro como fontes, dentre tantas outras, à idealização de criações. “A linguagem própria, mesmo que sob outras influências, está cada vez mais expressiva nos escritórios de arquitetura”, observou Otto.

Com obras de vários usos e escalas, o portfólio do Arquitetura Nacional também apresenta a sede da Unicred do Brasil [Confira matéria completa na PROJETO] e escritório Neológica [Confira matéria completa na PROJETO], com imagens a seguir:

 

 

Tivemos muita sorte em nos encontrarmos! E todos aqueles que estão conosco, colaboradores e novos sócios, são fundamentais em algum lugar que nos faltava. Sempre falamos que, para um escritório dar certo, as pessoas têm de ser diferentes – podemos ter gostos e linguagens parecidos, mas, no dia-a-dia, precisamos ser múltiplos”, acrescenta Paula.

 

Prospectando o futuro, a multinacional de mobiliário, Herman Miller, abriu o quadro de patrocinadores da tarde para falar sobre “O problema chamado Plástico”, com Gabe Wing, Diretor de Segurança e Sustentabilidade da marca. Como parte da NextWave Plastics, a marca atua na recuperação e transformação do plástico encontrado no oceano, utilizando-a como matéria-prima a ser incorporada a um número cada vez maior de seus produtos e embalagens. Saiba mais em: hermanmiller.com.

 

Cadeira Aeron Ocean Plastic, lançamento da Herman Miller, que adiciona a sua composição plásticos que terminariam nos oceanos © Cortesia Herman Miller

 

Igualmente atentos às questões ambientais, a Aubicon encerrou o roteiro do Apaixonados por Arquitetura com o tema “Design Biofílico: Tendência Mundial para Arquitetura Sustentável”, com o convidado arquiteto paisagista Benedito Abbud. Mestres na produção de mantas e pisos emborrachados, a empresa apresentou elementos técnicos de seus produtos altamente benquistos por arquitetos e passou a palavra a Abbud que, há 51 anos, atua diretamente com a essência da arquitetura e do design biofílicos.

Percorrendo diversas produções que compõem sua carreira, convidou o público a atentar-se ao Brascan Century Plaza, em São Paulo [Confira matéria completa na PROJETO], com arquitetura assinada pelo Königsberger Vannucchi, e paisagismo por Abbud. A obra concluída há 18 anos ilustra a fala:

 

Eu acredito que esses dois fatores – a necessidade da natureza e a maior conectividade – farão com que os espaços públicos, como praças e parques das cidades, sejam muito mais utilizados”, pontuou Abbud.

 

Paisagismo do Brascan Century Plaza © Nelson Kon

 

Saiba mais em: www.aubicon.com.br.

Vale lembrar que todos os e-books, conteúdos e materiais específicos estão disponíveis no hotsite do evento (www.apaixonadosporarquitetura.com.br).