(Foto: Cristiano Mascaro)
(Foto: Cristiano Mascaro)

Acervo de Hans Broos passa para salvaguarda da Fundação Hermann Hering

Historicamente, é estreita a produção do arquiteto para a Companhia que, agora em 2020, torna-se responsável por preservar o volume referente à trajetória pessoal e profissional de Broos

Desde janeiro de 2020, a Fundação Hermann Hering passou a salvaguardar a coleção de documentos e itens de trabalho de Hans Broos, importante arquiteto do cenário brutalista brasileiro. Com o objetivo de ampliar a democratização e o acesso arquitetônico ao projeto ‘Memória edificada: catalogação e digitalização de acervos no Centro de Memória Ingo Hering’, em 2019 a entidade foi contemplada com uma premiação de R$ 30 mil para realização de atividades que também fomentem o acervo de Broos.

A coleção, atualmente no então processo de documentação e digitalização, é composta por pranchas, projetos completos, estudos, referências para criação, além de diários e cadernos de desenhos. Os documentos deste conjunto compõem o arquivo denominado ‘Fundo da Casa da Rua Rieschbieter’, formado a partir do recolhimento elaborado pelos professores Bernardo Brasil (IFSC) e Karine Daufenbach (UFSC), após o falecimento do arquiteto.

“Há um diferencial no acervo de Hans Broos. Além de documentos técnicos que registram suas obras, todo o processo criativo deste arquiteto artista pode ser acompanhado através de seus inúmeros relatos contidos em diários, agendas, cadernos de anotação, correspondências, entre outros. Naquelas páginas Broos fez questão de relatar suas divagações sobre a vida, a arquitetura, a geografia, o Brasil, enfim, sobre tudo que lhe rodeava e lhe atraia”, conta Thayse Fagundes e Braga, documentalista do projeto e pesquisadora em arquitetura.

O legado patrimonial de Broos é um importante referencial de estudos e anualmente diversos pesquisadores, profissionais e entusiastas da arquitetura moderna visitam os espaços da Fundação Hering e da Cia. Hering em busca de compreendê-lo.

 

Histórico entre Hans Broos e Cia. Hering

A relação de Hans Broos com a Cia. Hering tornou-se ativa no final dos anos 1960 com a elaboração de um Plano Diretor que ampliou a Cia. Hering Matriz, em Blumenau (SC) [ver matéria completa na Revista PROJETO / edição 60]. Em continuação, na década de 1970, também projetou unidades satélites da Cia. – instaladas nas cidades de Rodeio e Ibirama – e, ainda em Blumenau, também foi autor do projeto do Centro Social da unidade Matriz. Outros dois bairros da cidade (Água Verde e Velha) também possuem edificações de natureza fabril projetadas por Broos.

Ainda na década de 1970, elaborou a antiga unidade da Hering Nordeste, na cidade de Paulista, em Pernambuco – que recebeu, em meados de 1980, o Prêmio IAB/SP pela “compatibilidade com as condições climáticas, cuidado nas soluções construtivas e valorização do ambiente de trabalho”, conforme o júri da edição.

Na década de 1980, Broos elaborou projetos residenciais para integrantes da família Hering e participou ativamente da organização de celebrações do centenário da Cia.. Entre 1989 e 1992, o arquiteto foi responsável por uma grande intervenção realizada na edificação conhecida como “castelinho” – inicialmente a residência da família de Gertrud Hering, escritora residente em Blumenau, e hoje adaptada para realização de cursos, eventos e oficinas culturais ofertadas pelo Museu Hering e Fundação Hermann Hering.

Saiba mais detalhes na Fundação Herman Hering.