(Imagem: André Moraes)

Aberto o processo seletivo para ‘Comuns: desvendando processos na América Latina’

O laboratório virtual de arquitetura experimental e coletiva tem como objetivo estimular trocas para transformação de territórios latino-americanos

Até 16 de agosto os interessados podem se candidatar ao processo seletivo da primeira edição do Comuns, um laboratório virtual de arquitetura experimental e participativa, que objetiva estimular a troca de novas experiências e reflexões em tecnologias sociais, ecológicas e políticas de transformação dos territórios latino-americanos, fortalecendo uma rede de saberes alternativos no setor a partir de 4 eixos temáticos: Materiais e Técnicas, Poéticas, Participação e Estratégias.

Organizado por Marcella Arruda e Marina Frúgoli, em parceria com o centro cultural Marieta, de São Paulo, o laboratório acontecerá remotamente duas vezes por semana, sempre das 19h às 21h30, entre 16 de setembro e 21 de outubro de 2020. Construído em torno do diálogo, o laboratório acolherá um grupo de até 30 participantes da América Latina e será veiculado através da plataforma Zoom.

De acordo com a programação, às quartas-feiras acontecerão os “conversatórios”: diálogos entre três coletivos latino-americanos convidados que apresentam suas trajetórias e processos que envolvem o fazer arquitetônico, pautando métodos, estratégias e inquietações para caminhos futuros. Já para as quintas-feiras estarão reservados os “exercícios de imaginação” que, em grupos de até 15 pessoas, irá problematizar e refletir sobre o tema apresentado no dia anterior, trocando referências e experiências de forma horizontal. Ademais serão propostos e compartilhados alguns exercícios ligados à temática de cada semana.

Estão confirmados para participarem dos “conversatórios”: Mouraria 53, Micrópolis, Goma Oficina, Terceira Margem, SePlan Conde (Brasil); Ruta4, Arquitectura Expandida (Colômbia); Colectivo Arrabal, Comunal (México); Al Borde (Equador); a77 (Argentina); e Eleazar Cuadros (Peru). Segundo a comissão do Comuns, tais iniciativas seguem lógicas que promovem o trabalho coletivo, colaborativo e experimental, ancoradas nos valores da ética do bem viver, da descolonização dos saberes e da preservação do bem comum.

O evento é voltado para aqueles que têm uma atuação na transformação de seus territórios, buscando ativar redes e trocar soluções acerca de uma prática integrada, mas também para quem procura formas de começar a atuar em seu contexto local. Para participar do processo seletivo, basta enviar a candidatura através do formulário até 23h59 do dia 16 de agosto. Um comitê de seleção – composto por Tomaz Lotufo (Permasampa), Felipe Pinheiro (Permasampa), Silvana Romano (Vitruvius), Abilio Guerra (Vitruvius), Fernanda Critelli (Vitruvius) e Mariana Montag (A Casa de Jajja) – irá analisar os inscritos de acordo com os critérios: diversidade e experiência, e deliberar até o próximo 6 de setembro. O resultado do processo (com nomes dos escolhidos e lista de espera) será divulgado on-line no dia 7 de setembro.

 

Comuns: desvendando processos na América Latina
Horário
às quartas e quintas-feiras, das 19h e 21h30
Investimento contribuição ideal R$ 370,00 | contribuição mínima R$ 260,00 | *10% de bolsas
Mais informações no site da Comuns

 

Marcella Arruda é artista transdisciplinar de São Paulo, arquiteta e urbanista pela Escola da Cidade (2017), estudou na Royal Academy of Arts em Den Haag (NL) e Design em Permacultura na Casa da Cidade (SP). Através de instalações, intervenções arquitetônicas, performances e programas pedagógicos, Marcella explora as relações entre corpo e território por meio de construções simbólicas como matéria de pertencimento e agenciamento. Está diretora de Projetos do instituto a Cidade Precisa de Você.

 

Marina Frúgoli é curadora formada em arquitetura e urbanismo pela FAU USP, com estudos complementares na Amsterdam Academy of Architecture. Atualmente é curadora da Coleção BEI de bancos indígenas brasileiros e assistente de coordenação de projetos do Intermuseus. Como assistente de curadoria, realizou exposições no Instituto Moreira Salles e no Itaú Cultural.

 

Residência Cultural

O Marieta é um centro de cultura voltado para o pensamento contemporâneo, que envolve pessoas de gerações e experiências diferentes, e se propõe como lugar de criação, debate e difusão de produções artísticas e culturais. Desde 2015 no centro de São Paulo, o Marieta fomenta na sociedade civil a reflexão em arte, cultura e sociedade com uma constante e variada programação cultural pública. Com a impossibilidade de organizar encontros presenciais por tempo indeterminado, o Marieta está trabalhando para oferecer momentos virtuais de produção e reflexão coletiva, para manter as mentes ativas e atentas.