Oscar Niemeyer: croqui para o Centro Musical do Rio de Janeiro (1974)

Sobre o desejo – digo, o desenho – do arquiteto | Por Luís Carlos Daher

Além do desenho técnico, informando ao mestre-de-obras as dimensões e disposição dos materiais a serem empregados, o arquiteto utiliza vários instrumentos de representação do seu projeto. Um exemplo banal é o chamado desenho de apresentação, com o qual exibe ao cliente o aspecto geral da obra que pretende realizar. Menos persuasivo, existe o desenho em esboços didáticos, no qual o arquiteto representa as opções desenvolvidas ao resolver o programa das necessidades. Há quem registre, nesses desenhos ligeiros, inclusive as soluções não aproveitadas, caso notório de Oscar Niemeyer. E também há quem prefira explicar seus projetos com “cortes” e “plantas” esquemáticos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante