Sidônio Porto: Valorizando a forma e a função

Do brutalismo à releitura de Louis Khan, Sidônio Porto mostra uma trajetória de diversificação e contrastes.

No final dos anos 60, o boom financeiro por que passava o país, com a expansão do sistema bancário, assegurou trabalho para uma associação iniciada em 1967 entre os arquitetos Raimundo da Rocha Diniz e o então recém-formado Sidônio Porto, ambos de origem mineira mas desenvolvendo sua vida profissional em São Paulo. A dupla realizou projetos de agências bancárias por todo o país. A partir de 1978, com escritório próprio, Porto passa a trabalhar para uma clientela mais diversificada, buscando novos desafios e também se precavendo dos altos e baixos da economia brasileira.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante