Sede do Grupo Fenícia: O fantasma do projeto jaz em São Paulo | Por Adilson Melendez

No número 1411 da rua da Consolação, São Paulo, no centro do terreno hoje ocupado por um estacionamento, o mato na grande cratera esconde as fundações daquele que deveria ter sido o edifício-símbolo do Grupo Fenícia. Dessa corporação fez parte, em determinada época, a indústria de alimentos Etti, mas a sua face mais visível é a Arapuã, conhecida rede de lojas de eletrodomésticos.Prédios inacabados, com estruturas ou obras semi-abandonadas, são comuns em São Paulo - e alguns desses esqueletos longevos foram, de certa forma, até assimilados à paisagem da capital. A sede do TRT-Tribunal Regional do Trabalho, por exemplo, é célebre por sua trajetória associada à corrupção. Outras obras inacabadas, apesar de não carregarem estigma tão negativo, representam incômodo urbano. Inclui-se aí aquela que seria a sede da concessionária de energia Eletropaulo, na marginal do rio Pinheiros.

Fantasma urbano

No número 1411 da rua da Consolação, São Paulo, no centro do terreno hoje ocupado por um estacionamento, o mato na grande cratera esconde as fundações daquele que deveria ter sido o edifício-símbolo do Grupo Fenícia. Dessa corporação fez parte, em determinada época, a indústria de alimentos Etti, mas a sua face mais visível é a Arapuã, conhecida rede de lojas de eletrodomésticos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 8.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Assine por R$ 2,99 mensaisJá sou assinante