Casa em Mathes, Le Corbusier

Residências depois do laboratório | Por Ruth Verde Zein

É ainda muito comum ouvir-se que o projeto da casa é o grande laboratório do arquiteto. Essa frase tem dois significados básicos, complementares: as casas servem de exercício, em ponto pequeno, de projetos mais complexos, a conquistar; e têm um caráter experimental, permitindo ao arquiteto avaliar hipóteses e testar sua utopia

A ampliação do campo de trabalho do arquiteto brasileiro, nas últimas décadas, tornou um tanto sem efeito a necessidade de exercitar o talento, “por enquanto”, nas residências. Em aeroportos e hidrelétricas, subestações e viadutos, hospitais e indústrias, não há como faltar a presença do arquiteto. De fato, pode-se perceber já nos últimos dez anos uma gradual diminuição nos projetos de casas que avancem inovações tecnológicas ou propostas de industrialização, assumindo-se a residência, individual, classe média/burguesa, na sua dimensão real de objeto de ourivesaria arquitetônica.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante