Problemas das linguagens arquitetônicas (Perigo! Isto é uma metáfora! Não se trata de comunicação!) | Por Alfonso Corona-Martínez

Hoje em dia cada um faz o que quer, ou o que pode, com as formas de seus edifícios. Fala-se da linguagem formal de diferentes autores. É uma perigosa metáfora. Um escritor não é autor, mas herda a linguagem em que escreve. Dizer que a linguagem é dele é um exagero.

A linguagem está em toda parte, sobretudo na fala corrente. Muda e evolui, e sob o mesmo nome de “castelhano” é uma na Espanha do século 16 e outra entre nós e agora mesmo. O texto de Cervantes, entretanto, é invariável: libertou-se do idioma castelhano, que seguiu adiante. É uma obra, um “texto”.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante