O auditório, em meio às tipuanas do Ibirapuera (Foto: Nelson Kon)

Oscar Niemeyer: Auditório Ibirapuera, SP

Alvo de intensa polêmica, que não se esgotou com a inauguração, o Auditório Ibirapuera, criado por Oscar Niemeyer , foi aberto ao público em outubro passado. O prédio possui simplicidade volumétrica desconcertante: um bloco único que em planta é um trapézio e, em corte, um triângulo. Ele completa o conjunto de edifícios do parque paulistano, tal como desenhado na década de 1950. Da proposta original, agora falta apenas a praça de acesso.

Concebido para a apresentação de espetáculos musicais, o Auditório Ibirapuera possui volumetria simples . O bloco único opõe-se à proposta – vigente desde a concepção da Ópera de Paris, no século 19 – de separação em três partes, legíveis a partir do exterior: foyer, platéia e palco. A simplicidade leva em conta a composição, juntamente com a Oca, de uma entrada principal para o parque . Esse conjunto de acesso, com dois edifícios de volumes puros e alvos, é considerado por Niemeyer – desde o desenho original do Ibirapuera, em 1951/54 – o mais importante do projeto, do ponto de vista arquitetônico (leia artigo nesta edição). A articulação de ambos seria feita por uma grande praça cívica e uma marquise/passarela, ambas não realizadas.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante