Oren Sagiv: Expografia da 31ª Bienal de São Paulo

“Como (...) coisas que não existem”. Esse é o título da 31ª Bienal de São Paulo, que, aberta até 7 de dezembro, tem a particularidade da expografia concebida por um dos curadores adjuntos, o arquiteto israelense Oren Sagiv. A maior parte dos trabalhos expostos foi comissionada e, assim, é o embate entre obra artística e setorização dos espaços que distingue o projeto expográfico, organizado em três núcleos: Parque, Rampa e Colunas.

Tudo começa com a busca pela definição do momento histórico em que vivemos. Somos modernos ou somos contemporâneos? Charles Esche, curador da 31ª Bienal de São Paulo, vê o tempo presente como um período de transição de paradigmas. Deixamos de ser modernos, mas a contemporaneidade ainda não constituiu algo nítido. Segundo Esche, estamos in between (entre) e a bienal de 2014 propõe ser um laboratório de reflexão sobre a “temperatura dos dias de hoje”. Não segue o modelo de museu, mas de um espaço de pensamento sobre a atualidade segundo aspectos artísticos, sociais, políticos. Se o mundo está mudando e não sabemos o que vai emergir, a bienal de “coisas que não existem” busca contribuir para compreendê-lo.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante