On Paulista, off Paulista (à maneira da Broadway) | Por Hugo Segawa

Pode haver nome mais bairrista do que este para uma avenida, a Paulista? Toda cidade tem a sua avenida Brasil, Getúlio Vargas, 31 de Março… De qualquer maneira, ao final do século XIX, quando a Paulista foi aberta, o figurino ordenava que a toponímia dos logradouros públicos ufanasse a nacionalidade. Vide o exemplo de Belo Horizonte, aquele quadriculado-com-diagonais de Aarão Reis com ruas batizadas com o nome dos Estados brasileiros, tribos indígenas, grandes rios, inconfidentes mineiros e outras personalidades – e, entre estes, o de Afonso Pena para a via central, posto que foi o mandatário da construção da nova capital.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante