O mosteiro da Batalha e o drama de mestre Afonso Domingues | Por Elvan Silva

A atividade do arquiteto, em princípio, não se coaduna com o conceito de drama, pois sempre relacionamos arquitetura com uma situação muito peculiar, onde os conflitos humanos se dão de forma muito abstrata e distante, no domínio da criatividade e do trabalho especulativo. As provações pelas quais passa o arquiteto são as mesmas de todo o trabalho intelectual; os desafios acontecem no campo psicológico; a coragem, quando exigida, é a coragem moral, não a física. Nunca ou quase nunca ocorrem situações que demandem decisão e sacrifício, no sentido heroico dos termos. No entanto, vezes há – raríssimas – em que a própria coragem física integra o jogo dos conflitos, caracterizando a situação dramática a que alude o título deste texto.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante