(Fonte: Currículo Lattes)

O lugar da crítica: nunca é inocente escrever sobre arquitetura | Por Ruth Verde Zein

Qual o lugar da crítica de arquitetura? Um texto de arquitetura, seja ele genérico ou relativo a uma obra determinada, poderá ser apenas informativo? Para estar presente, a crítica exigirá uma instância de texto mais qualificada?

Ao descrever uma obra de arquitetura; ao comentar um ou vários de seus aspectos; ao analisar a obra a partir das questões que ela coloca ou suscita; ao interpretá-la segundo determinado diapasão; ao construir uma teoria onde essa e outras obras de arquitetura estejam de alguma forma presentes – pode-se determinar em que momento a crítica começa a estar presente, ou a partir de que instante ela se ausenta? Parece-me que não. As palavras’ descrever, comentar, analisar, interpretar, teorizar parecem configurar uma frase melódica contínua em que a tarefa da crítica arquitetônica comparece sempre, com maior ou menor evidência, em graus ou enfoques diversos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante