Neide Senzi e Plínio Godoy: Iluminação do Parque Hopi Hari

Luz de cinema

O design da luz num parque de grandes dimensões como o Hopi Hari, que ocupa uma gleba de 1.200.000 m2, leva em conta diversos elementos. A luz deve ser funcional nas áreas de serviços (teatro, bares e restaurantes, cozinhas, escritórios etc.); estética, nos setores de circulação de público (caminhos, ruas, rampas, escadas); e cênica, para dar conteúdo dramático ao conjunto e estimular a curiosidade dos visitantes. Mais ainda, deve ser racional e padronizada, para facilitar a manutenção permanente de um conjunto de milhares de lâmpadas.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante