Le Corbusier: Segundo a ordem das razões, e mais além | Por Ruth Verde Zein

Descartes pedia para ser lido “segundo a ordem das razões”. Certamente, agradaria a Le Corbusier ser da mesma cartesiana maneira apreciado: conhecê-lo por inteiro, e não apenas em extratos pasteurizados. Porém, hoje, mais de cinquenta anos após os primeiros escritos corbusierianos e alguns séculos depois de Descartes, quem ainda poderá penetrar em seus discursos tão-somente pela porta de suas inexoráveis lógicas internas? Fazê-lo como exercício, e com as devidas cautelas, pode ser necessário, mas é certamente insuficiente para um leitor contemporâneo.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante