Há quinze anos, o BCN questionava o Modernismo | Por Adilson Melendez

Em 1997, quando o Bradesco adquiriu o controle acionário do Banco de Crédito Nacional, a negociação também envolveu o centro administrativo BCN. Localizado em Alphaville, loteamento de alto padrão implantado em Barueri, na Grande São Paulo, o complexo onde estava instalada a matriz da instituição é formado por 26 edifícios de escritórios de três e quatro pavimentos, um prédio para a diretoria - com auditório para 300 pessoas - instalações para refeitório e clube/ginásio esportivo.Projetado pelos arquitetos Lélio Machado Reiner e Juan Francisco Camps Andreu e construído entre 1976 e 1985, o conjunto foi publicado por PROJETO - ainda parcialmente concluído - na edição 52, de junho de 1983. Ele voltaria às páginas da revista no número 67, de setembro de 1984, dessa vez com o projeto do edifício da diretoria. Ainda na década de 1980, algumas daquelas edificações foram incluídas na edição 117, de dezembro de 1988, no caderno Arquiteturas do Brasil/Anos 80, que reuniu alguns dos principais trabalhos daquela década.

Uma obra para questionar a estética do Movimento Moderno

Em 1997, quando o Bradesco adquiriu o controle acionário do Banco de Crédito Nacional,
a negociação também envolveu o centro administrativo BCN. Localizado em Alphaville, loteamento de alto padrão implantado em Barueri, na Grande São Paulo, o complexo onde estava instalada a matriz da instituição é formado por 26 edifícios de escritórios de três e quatro pavimentos, um prédio para a diretoria – com auditório para 300 pessoas – instalações para refeitório e clube/ginásio esportivo.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 8.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Assine por R$ 2,99 mensaisJá sou assinante