Gustavo Penna e B&L: Estações do BRT Move, Belo Horizonte

Internacionalmente conhecido como BRT (bus rapid transit), o transporte de passageiros em ônibus que trafegam em vias segregadas recebeu, em Belo Horizonte, o nome BRT Move. Em funcionamento desde o primeiro semestre do ano passado, o sistema foi implantado nos corredores das avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado e no centro da cidade. B&L Arquitetura e Gustavo Penna Arquiteto & Associados, ambos daquela capital, são os escritórios responsáveis pela arquitetura das estações de transferência.

Idealizado a partir de diretrizes do Plano Diretor de Mobilidade Urbana da prefeitura local, o BRT de Belo Horizonte (que recebeu o nome BRT Move) começou a ganhar contornos mais sólidos quando o Brasil foi confirmado como sede da Copa do Mundo de 2014 e a capital mineira escolhida como uma das que receberiam jogos da competição. O sistema, ancorado no conceito de vias exclusivas por onde trafegam ônibus com grande capacidade de transporte, tem origem, no Brasil, no modelo implantado há décadas em Curitiba. Os trajetos iniciais do BRT Move, que entrou em operação no primeiro semestre do ano passado, estendem-se pelas largas e extensas avenidas Presidente Antônio Carlos (com 14,7 quilômetros) e Cristiano Machado (7,1 quilômetros), e por quase 1,5 quilômetro da região central. O sistema opera basicamente com estações de integração (de maior dimensão) e de transferência, estas de menor porte e espalhadas ao longo desses trajetos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 8.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Assine por R$ 2,99 mensaisJá sou assinante