(Foto: Leonardo Finotti)

Estúdio 41: Estação Antártica Comandante Ferraz, Ilha do Rei George, Antártida

Congelado boa parte do ano, o local onde está implantada a Estação Antártica Comandante Ferraz, projeto do curitibano Estúdio 41, tem na colina atrás e na linha d’água, à frente, as suas referências geográficas principais. De resto, o partido da implantação em volumes lineares e do prolongamento de uma mesma seção transversal ao longo de todo o edifício entoa o pertencimento a uma vastidão a ser respeitada pelo homem. É nítida a distinção entre natureza e espaço habitável, materializada por invólucro metálico, na cor chumbo, que reverbera o contexto climático extremo. Inaugurado em janeiro passado, o projeto foi um dos vencedores do Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel 2020.

2020 é ano marcante na trajetória do curitibano Estúdio 41. Em janeiro, foi inaugurada a Estação Antártica Comandante Ferraz e em breve estará finalizada a obra da sede do Fecomércio, Sesc e Senac do Rio Grande do Sul, cujo projeto vitorioso em concurso público de arquitetura em 2011 motivou naquele ano a formação do escritório por profissionais graduados em momentos distintos pela Universidade Federal do Paraná – atualmente, apenas Dario Corrêa Durce não é mais membro da equipe. Com apenas dois anos de existência, então, em 2013 o Estúdio 41 venceu o concurso para a criação da nova base científica brasileira na Antártida, que sete anos depois viria a substituir, em 2020, aquela incendiada em fevereiro de 2012.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante