Entrevista – Éolo Maia

O arquiteto mineiro de Belo Horizonte - “por acaso” - Éolo Maia é certamente um dos profissionais mais conhecidos, e polêmicos, de Minas Gerais. Formado no final dos anos 1960, ele desenvolveu projetos conhecidos por sua inspiração pós-moderna; criou, junto com sua mulher Jô Vasconcellos e, entre outros, Sylvio de Podestá, a revista de arquitetura Pampulha; e agora, aos 60 anos, acaba de ganhar, junto com jovens arquitetos e com o escultor Amílcar de Castro (81 anos), o concurso do projeto para as novas instalações do grupo de dança Corpo (leia reportagem na seção Prancheta, nesta edição), cuja sede original, em Belo Horizonte, havia projetado em 1975, junto com o arquiteto Márcio Lima.

Como foi o início de sua carreira, no final dos anos 1960?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante