E.E. Fausto Cardoso Figueira de Mello

Construções escolares | Por Ubyrajara Gilioli

“Kumanga, mu di nkuvana”

Todos conhecem a história do Oscar Niemeyer que chamou de energúmeno ao ex-governador Prates, de Brasília, pelos atentados que este praticara contra a arquitetura brasileira: quando o tradutor do livro o chamou e explicou que em italiano energúmeno é uma palavra muito forte replicou “Ah, é mesmo? Pois eu queria usar uma palavra mais forte ainda”… Infelizmente, esse tipo de atentado contra a obra de arquitetura, projetada ou construída, foi se tornando regra e hoje por toda a parte podemos encontrar exemplos dessas manifestações de prepotência, ignorância e burrice.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante