Capela sobre o monte Rokko, projeto de Tadao Ando

Caminhos e problemáticas da linguagem contemporânea | Por Franco Purini

Arquitetura como expressão urbana, tipologia, historicismo e memória, contextualismo, regionalismo crítico, funcionalismo, leitura “operacional” das vanguardas históricas: alguns conceitos e questões presentes nos debates arquitetônicos internacionais dos anos 80, na visão do crítico italiano Franco Purini.

Com o refluxo da onda pós-modernista em seu momento de maior sucesso e a partir do reconhecimento da marginalidade do historicismo radical e neovanguardismo, em função de seu extremismo premeditado e sua antipolaridade recíproca, nada mais nos impede de retomar aquele colóquio com as dificuldades do projeto contemporâneo, há algum tempo relegado a segundo plano pela arrogância dos slogans vigentes. A essência irreversivelmente ambígua da arquitetura deste século transformou a reflexão projetual em uma forma de indecisão ativa, traduzida como uma contínua acumulação de tensão figurativa, em um iminente deplacement. Não se tratou, entretanto, de incapacidade, mas da transformação em uma aventura mental e emoção estética daquela premonição de beleza responsável pelo traçado sonoro do Stravinsky primitivo e que alarmou o espiritual Kandinsky.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante