As escolas públicas paulistas na Primeira República | Por  Maria Lúcia Pinheiro Ramalho e Sílvia Ferreira Santos Wolff

Os prédios escolares antigos constituíam até há pouco matéria desconhecida, sujeita a análises superficiais. São comuns as referências que os descrevem como monumentais, requintados em seus acabamentos e privilegiados em sua localização urbana. Procuraremos demonstrar que tais afirmativas são generalizações apressadas, baseadas quase sempre em casos excepcionais.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante