Pinacoteca do Estado de São Paulo

Julio Prestes e a Pinacoteca | Por Haroldo Gallo

Um paradoxo nas intervenções de dois edifícios preservados.

Na virada dos séculos 19 e 20, São Paulo deixa de ser a vila de 30 mil pessoas para tornar-se a metrópole de 1,3 milhão em 1940. Nesse período, desenvolvem-se novas regiões, como a da Luz, com imagem européia e edifícios de novos usos e linguagens, entre eles a estação Júlio Prestes e a Pinacoteca do Estado, ambos paradigmáticos desse período.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante