A arquitetura sob os regimes militares na Argentina e Chile | Por Nuno Portas

Dois meses depois de sua vinda ao Brasil para conferências no IAB-SP e Rio, Nuno Portas esteve no Chile a convite do Colégio de Arquitetos daquele país para participar da Bienal que teve por tema “Fazer a Cidade”. Lá estiveram também os espanhóis, Oriol Bohigas e J. A. Coderch; os norte-americanos Peter Eisenman e Robert Graves; os ingleses Miller e Collgnhum; os argentinos Testa e Solsona; o convidado do Brasil era Jaime Lerner que, no entanto, não esteve presente.

Nas duas semanas de Chile, Nuno Portas que, antes de visitar o Brasil, estivera na Argentina, onde ministrou um curso com base na experiência portuguesa de habitação, pôde identificar pontos em comum entre os dois países sob ditadura militar e seus reflexos na arquitetura. De volta a Portugal no início de setembro ele deixou aqui o artigo que se segue em que tenta uma rápida análise dos dois países.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Por apenas R$ 2,99 mensais, você tem acesso ao conteúdo completo do acervo da revista PROJETO, com mais de 7.000 obras, projetos, entrevistas e artigos

Clique e assineJá sou assinante